BRASILEIRO CONQUISTA OURO NO PAN DE SUP SURF

Encerrando sua temporada, o brasileiro Caio Vaz subiu no alto do pódio em Lima, no Peru. E em 2018, o atleta diz que também terá como foco as ondas grandes.

Caio Vaz brilhou nas ondas de Punta Rocas. Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

O título pan-americano era um dos poucos que faltavam no currículo do surfista Caio Vaz, bicampeão mundial de SUP Surf. Não falta mais. No último sábado, dia 09/12, o brasileiro brilhou no mar de Punta Rocas e conquistou a medalha de ouro dos Jogos Pan-Americanos de Surf em Lima, no Peru. O inédito título para ele encerra com chave de ouro sua temporada, e os planos e focos para 2018 já estão traçados.

O feito do carioca colaborou com o quadro de medalhas da delegação brasileira na disputa. Na classificação geral, o Brasil terminou na segunda colocação, atrás do anfitrião Peru. A Argentina completou o pódio da competição, que contou com a participação de 15 países.

Caio no pódio após a conquista da medalha de ouro no Pan. Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

“O Pan foi incrível! Sem dúvidas, um dos campeonatos com maior estrutura que já participei. Foram dias de altas ondas e muita disputa. A delegação brasileira estava em sintonia, uma energia muito boa. Todos dividimos nossas experiências e torcida, criamos uma base sólida para a disputa. É sempre uma honra defender o Brasil, e estou muito feliz com a medalha de ouro”, falou o brasileiro.

A delegação brasileira terminou na segunda colocação geral. Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

A delegação brasileira terminou na segunda colocação geral. Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

De fato, a torcida dos companheiros foi importante para o título do bicampeão mundial. Nas baterias decisivas, semifinal e final, Caio teve pela frente dois competidores locais, José e Sebastian Gomez, pai e filho, além do apoio de grande parte dos fãs presentes nas areias.

“A torcida peruana estava em peso, lotou a praia. Enfrentei pai e filho na fase final do campeonato, então a torcida estava apoiando ainda mais seus atletas. Eles são excelentes surfistas, e a disputa foi intensa. Mas, ao mesmo tempo, o time do Brasil estava fazendo um barulho alto também, na torcida por mim. Tinha até gente de outros países na torcida pelo Brasil. Cada manobra que eu completava, ouvia a galera gritando. Foi irado”, vibrou Caio.

Ondas grandes estão nos planos para 2018

Em 2017, Caio Vaz intensificou sessões de surf em ondas grandes com experiências em Mavericks, Jaws e Nazaré. A ideia para a próxima temporada é de dedicação ainda maior na modalidade, e a preparação já começa na próxima semana no Rio de Janeiro. No início de 2018, Caio embarca rumo ao Hawaii em busca das ondas grandes que o inverno havaiano proporciona.

“Volto para o Brasil no dia 16, e já começo a treinar focado para o Hawaii. Além do SUP Surf, vou me dedicar mais aos treinos para ondas grandes. O inverno no hemisfério norte é incrível, rolam ondas gigantes por lá, então vou busca-las. Quero participar de sessões na Europa e na Califórnia também. Tenho certeza que me ajudarão muito a ganhar mais experiência em ondas grandes”, analisou o atleta.

Sobre Caio Vaz

Brasileiros fazem a festa com Caio Vaz.  Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

Brasileiros fazem a festa com Caio Vaz.  Foto: Paolo López Zubiaur/PASA.

Natural do Rio de Janeiro e atualmente com 23 anos, Caio Vaz começou sua experiência no mar ainda criança, incentivado por seus pais. Na infância, disputou campeonatos de pranchinha treinado por Caio Monteiro. Aos 11 anos, iniciou também a carreira de modelo, integrando o casting de uma importante agência do Rio de Janeiro.

Como ator e modelo, Caio integrou elenco de novelas da Rede Globo e trabalhos ao lado de modelos como Fernanda Lima, além de três temporadas do “Irmãos Vaz”, do canal Off, da Globosat, programa que mostrava sua saga e do irmão Ian em busca dos melhores picos para surfar.

O SUP Surf surgiu na vida de Caio Vaz justamente através de Ian, que o apresentou a evolução da modalidade. Caio disputa o Circuito Mundial de SUP Surf desde 2012, quando terminou na quinta colocação geral. De lá para cá, foram dois vice-campeonatos (2013 e 2014) e dois títulos (2015 e 2016).