7 DICAS PARA SURFAR OFF THE WALL

Viajou para o Hawaii e está afim de pegar uns tubões pesados? Pode se preparar para encarar Off The Wall. “É uma onda tão difícil quanto Pipe e Backdoor, a diferença é que não tem canal e nem todas as ondas são perfeitas. A cada 10 ondas apenas três ou quatro abrem, o resto é fechadeira”, explicou o freesurfer ubatubense Diego Santos.

Fotos:  Pedro Tojal

 

 

Diego é referência entre os brasileiros que caem por lá e até os havainos já o respeitam ao ver o quanto ele se dedica à onda. “Em OTW eu posso pegar a melhor onda do dia e sei disso. Já em Pipeline odeio ver os caras surfarem e sempre ter que esperar a vez, sendo que ela nunca vai chegar. Cheguei num ponto que nem checo mais as outras ondas, vou direto pra OTW. Pode estar bom, ruim, pequeno, grande, maral ou terral, simplesmente só surfo por lá, pois me sinto à vontade e é isso que me faz pegar altas ondas.”

Para surfar em OTW tem que saber lidar com as fechadeiras.

Portanto, Off The Wall é uma ótima alternativa a Pipeline. Mas cuidado, não dê uma de maluco e saia caindo por lá sem se preparar. Trata-se de um tubo pesadíssimo e complicado que exige muita experiência e uma boa escolha de onda.  Por isso, convocamos Diego Santos para dar dicas de como se dar bem em OTW. “O lance é o seguinte: o melhor tamanho é entre seis a oito pés. Os tamanhos de prancha que eu mais uso são entre 5’8” e 6’1” e acredito que você não precisa de um prancha muito grande, pois a onda tem uma velocidade totalmente diferente de Pipeline. Mais do que a prancha, vai contar a sua técnica e leitura de tubo. A onda é mais parecida com um slab (laje) e a base seca, mais rápida do que Pipe. Para quem nunca surfou em OTW aqui vão as minha dicas.”

LineUpOffTheWallPedroTojal (2)“O principal motivo que eu surfo em OTW é porque eu amo. Hoje sinto como se estivesse em casa e vejo que as pessoas me respeitam bem mais, pois me relacionam à onda. Isso me dá mais confiança para pegar os tubos.”

1. Olhe bem o mar antes de cair na água.

2. Sempre opte por uma prancha um pouco maior do que a de costume. Aqui no Hawaii sempre vem uma série surpresa. Por exemplo, se o mar está com quatro pés, pode ter certeza que vem uma serie de seis pés sólidos do nada! (risos).

Crédito: Arquivo Pessoal.

3. Entre pelo canal de Pipeline “Hehukai”. Já vi muitas pessoas tentando entrar por OTW e assim quebram a prancha ao meio antes mesmo de chegar no outside. Não arrisque, use o canal de Pipe.

Na foto dá para ver o canal de Pipeline mais à direita para o centro da foto e OTW bem na esquerda. Como as ondas são bem próximas, vale mais a pena entrar com segurança pelo canal e dar a volta por Pipe do que quebrar a prancha e passar um perrengue entrando por OTW. 

4. Se posicione no outside entre a rua e a casa da Billabong.

A entrada de Off The Wall e a casa da Billabong, que fica à direita da rua.

5.  Espere passar algumas séries para ver com está o mar e também para esperar a sua vez no pico.

6. Não pegue a primeira onda da série. A não ser que saiba o que está fazendo (risos). Caso contrário, irá tomar a série toda na cabeça.

 

 

 7. Por último, se não estiver crowd, fechando e ventando, com sorte você pode ter a chance de pegar um dos melhores tubos da sua vida. Welcome to Off The Wall.

“Fuck crowd, Pipe e Backdoor!” Diego Santos cansou de disputar onda em Pipeline e se especializou nos tubos pesados de Off The Wall. Sem dúvida é um dos brasileiros que mais se destaca nas temporadas havaianas.