8 DICAS PARA MELHORAR SEU SURF

Sabe o que o campeão mundial Adriano de Souza, o campeão mundial Pro Jr Lucas Silveira e Yago Dora,o freesurfer brasileiro de maior destaque internacional, têm em comum?

Todos eles são treinados pelo paranaense Leandro Dora. Aos 45 de idade, o ex-surfista profissional fundou há nove anos a AprimoreSurf, que alcançou um sucesso inquestionável na evolução da performance de atletas de ponta, como Ricardo dos Santos.

Quer melhorar o seu desempenho dentro d’água?! Então confira as 8 dicas preciosas de Dora !

(Ao lado: Dora com Adriano em Pipeline, onde Mineiro foi campeão mundial e do Pipemaster em 2015)

Por Luís Fillipe Rebel / Fotos Henrique Pinguim.

 

1 – AVALIAR O NÍVEL DE SURF, PESO E DE QUE MANEIRA DESEJA SURFAR PARA ENTÃO ESCOLHER O EQUIPAMENTO IDEAL

A maioria dos surfistas passa por várias fases de como abordar uma onda. Portanto, é necessário avaliar e entender a maneira como você quer surfar no momento que está vivendo para daí fazer a sua escolha. Muita gente compra o equipamento às vezes influenciado pelo apelo visual ou a marca, e essa pode não ser a prancha que vai funcionar melhor para o que você quer fazer nesse momento da sua vida. Então, é fundamental ter uma boa orientação de um shaper que interprete o que o surfista quer e transforme isso no foguete ideal.

Lucas Silveira, Yago Dora e Marco Giorgi levaram um quiver variado para o Hawaii, assim puderam escolher o equipamento certo para cada tipo de onda.

Além da prancha, uma roupa de borracha leve e maleável, um deck legal, todo equipamento vai somar. Se você quer ter um surf de alto nível, precisa pensar nos detalhes. Principalmente se não for um atleta. Quem estuda, trabalha e não tem tempo de surfar o dia inteiro, tem que investir mais ainda em ter um equipamento de qualidade e adequado para o seu surf.

 Lucas Silveira está sempre com o equipamento correto, tanto para encarar a onda gigante da foto em Jaws quanto para fazer a nota 10 do vídeo no Mundial Pro Jr em Portugal. Vídeo:  WSL. 

Lucas Silveira. Foto: Carlos Carpinelli.

2 – ESTAR AO MÁXIMO DENTRO D’ÁGUA PARA PRATICAR INDEPENDENTE DA CONDIÇÃO DO MAR

Quanto mais você estiver dentro d’água, mais você vai evoluir. Mas atenção! Não é para ficar no mar pensando na foto da gatinha que acabou de ver no Instagram antes de surfar. Precisa estar focado e disposto a remar, pegar as ondas, raciocinar o que fez e voltar na arrebentação sempre olhando a onda de trás já pensando no que pode fazer de melhor na onda seguinte.

Para que ficar fora d’água? Afinal, assim como Ian Gouveia, a gente ama o mar.

3 – QUANDO VOCÊ NÃO ESTIVER NO MAR, OS SKATES VÃO TE FAZER EVOLUIR AINDA MAIS

O skate carver pode ajudar muito porque a base de trás é fixa e a da frente é mole. Lembra muito o movimento da prancha de surf, que tem a quilha atrás e você não consegue fazer o movimento de desgarrar a rabeta lateralmente, mas consegue fazer a frente balançar. Ele ajuda muito no conjunto do jogo do agacha-estica (a mola corporal) com o movimento dos braços que alinha os ombros com o quadril. O carver é perfeito para isso.

Yago Dora praticando o estilo no original Carver Skateboards.

4 – PRATICAR ALGUMA ATIVIDADE FÍSICA COMPLEMENTAR QUE DEVE VARIAR DE ACORDO COM CADA ATLETA E NECESSIDADE

O trabalho complementar é diagnosticar as suas maiores deficiências e trabalhar especificamente nelas para o seu surf render mais. O que você tem? Fraqueza na remada, dureza no corpo, falta de flexibilidade ou excesso de peso?

O treinamento complementar de Lucas Silveira, Leandro Dora, Marco Giorgi  e Adriano de Souza comandado pelo fisioterapeuta Marcelo Amaral. O trabalho consiste em uma terapia manual para manter o corpo livre de tensões e equilibrado, além de um treinamento preventivo chamado de biomecânica funcional.

Por exemplo, se você tem medo de onda grande, pode fazer um curso de apneia, que vai te dar mais resistência, e um yôga para fazer um controle mental. Esses trabalhos vão te dar mais confiança para encarar o mar com mais facilidade.

Após uma grave lesão na coluna sofrida na Indonésia no início da carreira, Ricardo dos Santos passou a fazer um trabalho complementar muito forte de prevenção com o fisioterapeuta Marcelo Amaral, hoje um nome indispensável na equipe da AprimoreSurf.

5 – FILMAR E AVALIAR SUAS IMAGENS PARA COMPARAR COM OS MOVIMENTOS DOS ATLETAS DE PONTA EM VÍDEOS DE FREE SURF E COMPETIÇÃO

Se ver é se olhar no espelho. Isso é o mais importante para evoluir . O surf te emociona muito facilmente. É comum você terminar uma onda e falar “cara, eu quebrei, fiz tudo o que tinha para fazer”, mas depois você ver a imagem e pensar “pô, eu acho que podia ter sido melhor”.

Marco Giorgi e Adriano de Souza analisando as imagens do vídeo para aprimorar ainda mais o surf deles.

Então nos vídeos você pode avaliar todos os sentidos do seu surf: a linha executada, os ataques no lip, o estilo e a maneira como você leu e surfou a onda. Após se ver, o ideal é analisar também os vídeos dos surfistas profissionais para entender a maneira como eles surfam e onde você pode corrigir, desde o drop, passando pela cavada, a leitura da onda e as manobras executadas.

 

 

Prestar atenção em como os atletas de ponta realizam os movimentos é essencial. Veja na sequência da foto os detalhes desse snap back, manobra que Adriano é especialista.

6 – A BOA ALIMENTAÇÃO É UM COMBUSTÍVEL DE QUALIDADE PARA A “MÁQUINA” FUNCIONAR MELHOR

Novamente precisa ser específico, assim como na parte física complementar varia para cada um. É essencial procurar um nutricionista para saber como está a sua alimentação e o que você pode mudar para obter um melhor rendimento esportivo.

Para manter a performance no mais alto nível, Mineiro precisa cuidar também da alimentação.

A gente sabe que precisa ter uma diversidade na alimentação, com frutas, legumes, cereais, mas é indispensável a consulta com um profissional que vai adequar a alimentação ao seu biótipo, o seu cronograma de atividades do dia a dia, dentre muitas outras coisas.

 

 

Marco Giorgi é um exemplo de surfista que está muito comprometido em relação à alimentação. O resultado você pode ver na qualidade do surf dele.

7 – DESCANSO ADEQUADO DE ACORDO COM A CARGA DE TREINOS 

Existem muitos atletas que dormem entre um treino e outro. No World Tour, por exemplo, alguns surfistas após a bateria vão para um canto, botam o fone e tiram uma soneca entre os heats. Existem atletas de MMA que têm feito cargas de treinos intercaladas entre treinamento físico, alimentação e sono. É uma coisa nova. São três turnos de treino às vezes acordando no meio da madrugada para fazer a sessão. Então são métodos novos que estão fazendo as performances esportivas evoluírem muito. É importante achar o seu caminho e o que vai funcionar para você.

Os competidores da WSL dormem tanto entre as baterias que foi criado o Instagram @woldsleepleague só com fotos deles tirando uma soneca.

8 – TRABALHAR A MIRA, AS SETAS DE DIRECIONAMENTO E A MOLA CORPORAL

Essa é a base do ensinamento da AprimoreSurf. A mira é a direção do olhar, as setas de direcionamento são os braços e a mola corporal é o jogo de abaixa-estica. Esses são pontos fundamentais para se trabalhar na parte técnica e evoluir no surf. Além de prestar atenção nesses detalhes, a base também vai fazer muita diferença. Ela varia muito de acordo com o biotipo e o equipamento usado, mas deixar um pouco mais aberta que fechada é bom porque dá mais estabilidade. A partir daí precisa ficar bem atento aos detalhes do joelho, pois se você botar ele para fora vai ficar bem feio com a base aberta. Portanto, você precisa dobrar o joelho para dentro e assim terá uma boa estabilidade e um estilo legal.

 

 

Repare na sequência como Yago Dora trabalha muito bem o jogo da mola corporal para completar esse tubo.

Seguindo essas oito dicas, quem sabe daqui a alguns anos você também está completando um backflip, como este do Yago Dora. Vídeo: Leandro Dora/AprimoreSurf.