Um dia muitas emoções para os brasileiros! A briga foi dura, mas Adriano de Souza teve um desempenho espetacular em Banzai Pipeline e levou o título de campeão mundial 2015!

Assista ao vivo a consagração de Adriano de Souza clicando aqui.

GABRIEL MEDINA IMPECÁVEL

Gabriel Medina. Foto: Kirstin/ WSL.

Gabriel Medina. Foto: Kirstin/ WSL.

O dia de hoje mudou, o mar diminuiu e Medina continuou surfando com a inteligência de um campeão mundial. Gabriel passou a bateria todo antenado e escolhendo bem as ondas, sem dar chances ao experiente C.J. Hobgood na última bateria de WCT da carreira do americano. Com uma esquerda muito bem surfada, o brasileiro já entubou no drop, acelerou na hora certa e saiu tirando onda com um reverse após passar da porta fechada. Além disso, adicionou um 3.67 ao somatório enquanto C.J. esperava a melhor com a prioridade. Depois de Hobgood conquistar um 4.67 e passar a precisar  de um 7.01, Medina foi muito bem na parte tática deixando C.J. sem opções para pegar uma boa onda. Ele precisa secar tanto Mick Fanning quanto Adriano de Souza para ter chances de título mundial. Já o da Tríplice Coroa Havaiana está cada vez mais perto.

Gabriel Medina. Foto: Masurel/ WSL.Gabriel Medina. Foto: Masurel/ WSL.

A bateria marcou a aposentadoria de C.J. Hobgood, que sonhava em ganhar o Pipe Masters para fechar com chave de ouro. Quando o confronto chegou ao fim, a WSL exibiu uma homenagem ao americano campeão mundial de 2001 com vários atletas dizendo “Obrigado, C.J.”.

JADSON ANDRÉ GARANTIDO NA ELITE

Com a derrota de C.J. Hobgood, Jadson André se mantém no WCT em 2016. O potiguar perdeu no Round 2 e precisou ficar torcendo por resultados. “ACABOU GALERA JÁ ESTOU 101% garantindo na elite no ano que vem! OBRIGADO A TODOS PELAS ORAÇÕES E TORCIDA. QUE VENHA 2016!”, postou Jadson em seu Twitter. Com a classificação dele, o Brasil terá o incrível número de 10 surfistas na elite do surf mundial. Tá tudo dominado!

FANNING SE CLASSIFICA NOS ÚLTIMOS MINUTOS

Mick Fanning. Foto: Kirstin/ WSL.

Mick Fanning. Foto: Kirstin/ WSL.

Mick Fanning é um imã de ondas até em condições ruins. O australiano passou por mais um confronto dificílimo, desta vez contra Kelly Slater. Em uma bateria de ondas ruins, os donos de 14x títulos mundias, somando as conquistas dos dois, não puderam alcançar notas altas. Kelly vinha na frente após uma má escolha de Mick durante a sua prioridade. No entanto, Slater também errou quando assumiu a prioridade ao pegar um tubo muito apertado e cair na manobra de finalização a poucos minutos do final. Mesmo assim a esperança brasileira ainda era grande devido às condições ruins. Até que há quase dois minutos do fim da bateria veio uma única onda em que Mick foi para a direita e Kelly fez de tudo para entrar na esquerda. Slater não caiu no “drop suicida”, já Fanning pegou um tubo curto e atrasado, mas que valeu um 6.00, nota alta para a situação do heat. A brilhante saga do australiano rumo ao título mundial continua com um roteiro de cinema!

A vitória de Mick acabou com as chances de título mundial para Medina, que agora enfrenta o aussie na semifinal podendo ajudar o compatriota Adriano de Souza.

Mick FanningMick Fanning. Foto: Masurel/ WSL.

MINEIRO SEGUE A CARTILHA DE MICK E VIRA NO FIM

Em uma bateria de notas ainda mais baixas que a de Mick Fanning, o espírito guerreiro de Adriano de Souza até o último minuto rendeu a vitória. Josh Kerr tirou um 3.00 durante a prioridade de Adriano e viu o brasileiro cair quando escolheu a melhor onda. Assim, tentou administrar o resultado até o fim do heat. Enquanto isso, Mineiro remava em tudo que podia para tentar uma nota milagrosa na casa dos 2.00 pontos. Voltando para o outside, ele ainda viu Kerr aumentar poucos décimos a vantagem.

A tensão estava em nível máximo, já que não aparecia uma onda decente. No entanto, o nosso guerreiro não desiste nunca e mesmo sem a prioridade veio em um tubo apertado para sair comemorando, conquistar 3.50 e levantar a galera na areia. Logo depois, ainda mais emoção com Kerrzy vindo para a virada, mas a torcido brasileira secou, a onda fechou e Adriano saiu da água ao som de “Mineiro! Mineiro! Mineiro!”. O sonhado título mundial é logo ali. Vamo que vamo!

Adriano de Souza. Foto: Masurel/ WSL.Adriano de Souza. Foto: Masurel/ WSL.

MEDINA COLOCA O TÍTULO NA BANDEJA PARA ADRIANO

Gabriel Medina fez mágica na seminal do Pipe Masters. Mick utilizou muito bem a prioridade e não deixou Medina pegar um bom tubo para virar a bateria. O que Fanning não esperava era a carta na manga de “Medina Airlines”. Já que não conseguia bons tubos, Gabriel partiu para uma onda ruim e mandou um full rotation altíssimo em Pipeline colocando a galera para vibrar e desafiando os juízes a não dar o 5.54 que ele precisava. Por um momento pairou no ar a dúvida sobre o quanto valeria um aéreo em Pipe, mas logo veio a nota: um 6.50! Mick, que vencia o heat com um 7.33 após um ótimo tubo logo no início da bateria, saiu sem acreditar no feito do garoto prodígio.

A verdade é que Fanning foi perfeito taticamente, porém a genialidade de Gabriel Medina no finalzinho da bateria chocou a todos! Com a vitória, Gabriel Medina ainda se sagrou o primeiro brasileiro campeão da Tríplice Coroa Havaiana, já que Mick era o único que podia ultrapassá-lo no ranking. Que venha o Pipe Masters!

Gabriel Medina. Foto: Masurel/ WSL.Gabriel Medina. Foto: Masurel/ WSL.

ADRIANO DE SOUZA É CAMPEÃO MUNDIAL DE SURF

Está tudo dominado! O Brasil é a grande potência do surf mundial em 2015 após a vitória de Mineirinho em cima de Mason Ho. Adriano de Souza campeão mundial, Gabriel Medina da Tríplice Coroa Havaiana, Italo Ferreira o Rookie of The Year, Caio Ibelli do QS e ainda teremos o Pipe Master do ano depois de uma final verde-amarela entre Gabriel e Mineiro. Não tem para ninguém! Dos quatro primeiros colocados do ranking, três são brasileiros e ainda seis das onze etapas do ano terminaram com a bandeira brasileira sendo erguida pelo surfista vencedor. Para terminar o ano de forma impecável, ainda dominamos a onda mais famosa do mundo com uma final 100% brasileira. Arrá, urru, Pipeline é nosso!

Notas baixas, emoção em alta. Assim foi a bateria entre Adriano de Souza e Mason Ho. Disputa por prioridades na remada, trocas de ondas e Mineiro chegou à vitória com tubos e manobras de backside. Na grande decisão, o brasileiro mostrou preparo físico, capacidade nos tubos, leitura de onda, frieza, surf base lip e tática perfeita. Foram dez anos de luta no WCT até chegar a este tão sonhado título mundial! Sem dúvidas, Adriano de Souza foi um dos surfistas que mais se dedicaram durante a carreira para chegar a este momento. A cada ano, Mineiro aparecia com um surf ainda mais evoluído e com uma estratégia mais desenvolvida. Um guerreiro, um atleta, um grande surfista, um campeão mundial! Este é o brasileiro Adriano de Souza ‘Mineirinho’!

Adriano De Souza. Foto: Masurel/ WSL.Adriano de Souza dedicou a vitória a Ricardo dos Santos. Foto: Masurel/ WSL.

UM DIA MELHOR DO QUE O SEU SONHO

Adriano de Souza não foi apenas campeão mundial, ele venceu o maior campeonato de surf que existe: o Billabong Pipe Masters. Mineiro calou a boca de muitos críticos que sempre o colocaram como azarão em Pipeline, afinal, ele nunca tinha conquistado uma posição acima do 9° lugar. Agora, após bater Gabriel Medina na final, ele vai para casa com os dois troféus mais desejados do mundo do surf.

A finalíssima já começou com a certeza de que teríamos o primeiro brasileiro campeão do Pipe Masters e, logo de cara, vimos os dois mais relaxados conversando. Porém, com o passar do tempo, a coisa ficou séria, pois ambos queriam levar esse importante troféu. Os dois deram o seu máximo, mas Mineiro, visivelmente mais tranquilo, mandou muito bem nos tubos para Backdoor no começo de bateria e garantiu o somatório que já lhe renderia o título da etapa. Depois, ele ainda agregou outras boas notas sem dar chances a Medina, que ainda tentou um backflip no final. Para nós, brasileiros, fãs de surf, a sensação é de que estamos no paraíso! Somos os melhores do mundo por dois anos seguidos. E mais do que isso, dominamos o WCT e QS totalmente em 2015. Já podemos encher a boca para dizer com toda a certeza: o Brasil é a maior potência do surf mundial!

“Basicamente, eu estava buscando o troféu do título mundial, mas é um bônus ser campeão de Pipeline, como O’Brien, Slater, Bede Durbidge… São tantos nomes na minha mente agora… Não tenho nem palavras. Sou abençoado por Deus. É fantástico ser campeão, contra meu amigo Gabriel na final. Estou feliz em finalizar o dia bem e quero dizer “muito obrigado a todos os brasileiros”. Eu sou o campeão!”, disse Adriano, que completou. “Eu disse para o Gabriel na água que sem ele eu nunca seria campeão. Ele me mostrou o caminho para chegar até aqui. Muito obrigado, Gabriel, por me mostrar como ser campeão mundial. Muito obrigado, Simone, Charles por tornar Gabriel ainda mais campeão como pessoa. Dividir esse momento com ele na final é fantástico, é uma benção.”

Adriano De Souza. Foto: Masurel/ WSL.O melhor surfista do mundo, Adriano de Souza. Foto: Masurel/ WSL.