AS MELHORES ONDAS DE LAJE DO BRASIL

Veja quais são os slabs prediletos dos big riders brasileiros e qual a dificuldade dessas ondas.

“O surf de slabs é desafiador, imprevisível e radical, por isso é muito tentador”. Essa é a grande motivação para Carlos Burle sair em busca das ondas mais inóspitas na costa do Brasil. E também é o eterno desafio de todos os outros big riders brasileiros, como Pedro Scooby, Lucas Chumbinho, Felipe Cesarano, Rodrigo Koxa, Alemão de Maresias, Marcelo Trekinho, Thiago Jacaré, Fabio Gouveia, entre outros, que exploram a nossa costa atrás de lajes de pedra no meio do oceano, onde quebram ondas desafiadoras e, é claro, de alta qualidade.

Selecionamos algumas das melhores e mais sinistras lajes, os famosos slabs do Brasil, que já foram, ou ainda não, bem explorados e que nem se pode falar direito onde ficam. Mais algo eles têm em comum: surf de alto nível sobre um fundo de pedra, em geral, bem raso! (Em destaque: Trekinho usou toda a sua base do Pontão do Leblon para dropar várias bombas na Laje do Shock. Foto: Marcelo Mattos)

LAJE DO SHOCK, ITACOATIARA, RIO DE JANEIRO

O local Bruninho Santos chamou os amigos para surfar no seu quintal de casa. Foto: Cesinha Feliciano.

A Laje  do Shock ganhou muita notoriedade nos últimos anos devido ao fácil acesso. (Confira a matéria BEM-VINDO AO SHOCK, da Surfar #50) Nela quebra um tubaço para a direita. Muita gente compara com um Teahupoo para a direita, apesar de muitos também dizerem que não tem comparação.

“É uma onda meio doida, cabulosa, tem uns backwash, dá umas esmagadas. Mas, de vez em quando, entra umas ondas o cúmulo da perfeição. Então é um dos slabs que eu mais gosto.” – Felipe ‘Gordo’ Cesarano.

“A onda é animal! Ela é muito fotogênica. O perigo é a onda lateral que faz um balanço muito louco e causa a maioria das vacas. Dá para tirar um tubão animal se escolher a onda certa. É um dos melhores ‘slabs’ que a gente tem.” – Marcelo Trekinho.

 LAJE DE JAGUARUNA, SANTA CATARINA

Fabio Gouveia numa bomba na Laje de Jagua. Foto: RafaShot.

A Laje de Jagua, como é conhecida, fica a 5,3 quilômetros da costa da praia de Jaguaruna, em Santa Catarina. Essa é a maior onda do Brasil. Sua bancada fica a 40 metros de profundidade e aflora com a parte mais rasa a um metro e meio de profundidade, o que é bem raso para ondas que podem chegar a 30 pés.

Os jets ficam pequenos diante da gigante em Jaguaruna. Foto: Luis Reis.

A direita é uma onda muito perigosa. Grande, pesada e roda um tubo muito grotesco! Ela é perigosa, porque você passa com as quilhas a um dois palmos das pedras. Já a esquerda é mais surfável. Tem uma parte que é rasa, porém o resto da bancada já fica mais funda. Mas também é uma onda bem pesada.

“A gente já pegou várias ondulações grandes na Laje de Jaguaruna, mas os maiores não foram registrados ainda. Esses swells chegaram na casa dos 30, 40 pés com séries maiores. E eu já surfei, mas não foram registrados. Então, agora que temos uma logística boa, queremos registrar esse swell de 30, 40 pés que no Brasil nunca foi surfado. A hora que conseguirmos isso, aí vamos estampar de vez a laje do Jagua no cenário mundial de ondas grandes.” – Thiago Jacaré, local do pico.

LAJE DO SAMUEL, LITORAL NORTE DE SÃO PAULO

Beto Roman na melhor do dia na Laje do Samuel. Foto: Sebastian Rojas.

Essa laje no litoral norte de São Paulo foi recentemente batizada de Laje do Samuel. Isso porque, no dia que Rodrigo Koxa, Vitor Farias, Marcondes, Jacó, Beto Roman e Sebastian Rojas foram desbravar esse lugar, o filho do Alemão de Maresias ia nascer em São Paulo. Mas ele não podia perder a oportunidade de conhecer o pico, então foi surfar com a galera e só depois foi visitar seu bebê na maternidade. Nada mais justo que a homenagem fosse feita. Eles batizaram a laje com o mesmo nome do filho do Alemão: Samuel.

Direita pesada da Laje do Samuel. Foto: Foto: Sebastian Rojas.

A laje fica em frente a um paredão de pedras de uma ilha do litoral norte paulista, e proporciona um tubão para a direita com um baita backwash. É um onda difícil, que balança e não tem condições para a remada, só para tow in. Mas é uma onda muito boa e impressionante. Na ocasião, a esquerda não estava boa, mas tem potencial.

LAJE DE ANGRA, RIO DE JANEIRO  

Essa é uma das ondas que ninguém fala direito onde é. É um mistério! Só quem conhece, conhece. “É uma onda que quebra em frente a uma ilha e não na ponta da ilha, então ela tem um backwash, mas ele, se tudo der certo, só alarga o tubo. Então é uma muito doida, mas muito boa”, explica Gordo, contando que hoje é o slab que ele mais gosta de surfar. Como ainda é um secret, temos poucas informações sobre esse lugar, mas a foto abaixo já diz tudo!

Quer conhecer mais slabs prediletos dos big riders brasileiros? Então, CLIQUE AQUI.

Fonte: redbull.com