FOTÓGRAFO BRASILEIRO É O MAIS PREMIADO NO SURF

 Fred Pompermayer é o fotógrafo brasileiro que mais conquistou prêmios no surf . Um currículo de peso! Ele ganhou  seis vezes o XXL Big Wave Awards, além de ter
mais de 50 capas de revistas em vários países.

Esquerda ou direita… Ir ou ficar… Fotografar o surf de ondas grandes muitas vezes pode ser uma loteria: sorte ou azar. Mas para Fred Pompermayer, fotógrafo brasileiro especializado em surf de ondas grandes, é sobre tomar a decisão mais correta na hora certa. (Foto em destaque: Everaldo ‘Pato’ Teixeira no caroço de Teahupoo)


“O que fez diferença na minha carreira foi saber tomar as decisões certas.”

Fred Pompermayer no Tahiti. Foto: Reprodução globoesporte.globo.com.

Fred Pompermayer no Tahiti. Foto: Reprodução globoesporte.globo.com.

“Fotografia de onda grande é um pouco diferente. Não tem uma data, um cronograma para seguir. A gente tem que estar sempre preparado para arrumar a mala, pegar as coisas e partir”, explica Pompermayer.

Ele acrescenta: Então, durante a temporada de ondas grandes, aqui no Pacífico Norte, a gente tem que tomar a decisão se vai ou se não vai de última hora. Eu prefiro esperar até o último minuto. O que faz a diferença é você estar no lugar certo na hora certa. Porque tudo pode mudar, o vento pode mudar, o swell pode baixar, a direção pode mudar.”

Capa da Surfar #21 com a sequência de Everaldo ‘Pato’ Teixeira em Teahupoo.

Além dos prêmios e das diversas capas de revistas, Fred Pompermayer tem outra “conquista” na sua carreira de fotógrafo. Foi ele quem levou Maya Gabeira para surfar sua primeira onda grande, além disso, guardou por dez anos a prancha usada por ela na época.

Durante um swell histórico no Tahiti, em novembro de 2007, o fotógrafo não pensou duas vezes. Ele ligou para Maya Gabeira e pediu que ela arrumasse suas malas para surfar. “Fred, não é tudo que a gente quer que a gente consegue fazer”, disse a surfista na época. Como resposta, a big rider ouviu lições de vida e do esporte: “Maya, você não passou três meses treinando no Hawaii para desistir agora”. Ela conseguiu a onda e, ele, as fotos.

Maya Gabeira com Pompermayer. Foto: Saulo Azevedo

Maya Gabeira com Pompermayer. Foto: Saulo Azevedo

Essa foi a segunda viagem que Maya não contou para a mãe que faria para pegar uma onda gigante. Afinal as ondas batiam os 15 metros de altura.  A primeira de todas foi Mavericks, na pequena Half Moon Bay.

“A fotografia de surf é muito parecida com o esporte. O atleta só se destaca no surf de ondas grandes se ele toma as decisões muito bem tomadas. E se ele se posiciona não só no dia certo, mas na onda certa, na posição certa. E são decisões que mudam a nossa vida como profissional”, fala Maya Gabeira.

Carlos Burle em Mavericks.


“Fotografia de onda grande é um pouco diferente. Não tem uma data, um cronograma para seguir. A gente tem que estar sempre preparado para arrumar a mala, pegar as coisas e partir.”

O fotógrafo com sua família.

O fotógrafo com sua família.

Há 15 anos, Fred Pompermayer mora na Califórnia, em Santa Bárbara, com a mulher e a filha.

Fred deixou o Brasil para viver na cidade por um ano, Durante esse tempo, conheceu sua esposa, mas precisava retornar. Logo depois, ele decidiu retornar para a Califa e formou uma família.

“Eu depois, voltei para o Brasil para terminar a faculdade de arquitetura. Lá eu entendi que eu precisava voltar e viver do esporte. Larguei a arquitetura e resolvi ser fotógrafo de surfe na Califórnia”, conta o fotógrafo, que, na maior parte das vezes, conseguiu alcançar seus objetivos.

Outra foto de Fred Pompermayer na capa da Surfar.

Fonte: globoesporte.globo.com