ITALO FERREIRA É O BRASIL NAS SEMIFINAIS EM MARGARET RIVER

O potiguar Italo Ferreira vai disputar a segunda vaga na grande final defendendo a vice-liderança no ranking contra o havaiano Sebastian Zietz e a australiana Tyler Wright já faturou o título feminino na sexta-feira.

 

O potiguar Italo Ferreira chega as semifinais pela segunda vez consecutiva na perna australiana do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. Ele ganhou uma disputa direta pela vice-liderança no ranking do norte-americano Kolohe Andino e vai enfrentar Sebastian Zietz na briga pela segunda vaga na grande final do Drug Aware Margaret River Pro. O havaiano impediu que a semifinal fosse brasileira, ao barrar o paulista Caio Ibelli no último confronto da longa sexta-feira de boas ondas de 6-8 pés em Main Break. A outra será australiana, entre Joel Parkinson e Julian Wilson, que venceram as primeiras baterias das quartas de final, logo após a australiana Tyler Wright ganhar a decisão feminina da norte-americana Courtney Conlogue.

Italo Ferreira. Foto: WSL/ Cestari.

 Depois de três dias parado à espera de boas ondas, o Drug Aware Pro retornou com uma verdadeira maratona de dezenove baterias realizadas na sexta-feira em Margaret River, desde as 7h00 até as 17h00, com os homens e as meninas competindo intercaladamente. Os três brasileiros perderam na primeira rodada classificatória para as quartas de final que abriram o dia. O campeão mundial Gabriel Medina e Italo Ferreira acabaram formando uma bateria brasileira na repescagem e o potiguar achou duas boas ondas para mostrar a força do seu backside nas direitas de Main Break. Ele somou notas 8,33 e 7,60 contra duas na casa dos 6 pontos na vitória por 15,93 a 13,17 pontos sobre Medina.


Gabriel Medina foi derrotado pelo compatriota Italo Ferreira no round 5. Foto: WSL/ Cestari.

 LIDERANÇA NO OI RIO PRO – Depois Italo fez sua melhor apresentação em Margaret River contra o californiano Kolohe Andino, vice-campeão na etapa de abertura da temporada 2016 na Gold Coast. O potiguar criado nas direitas do Pontal de Baía Formosa, pegou as melhores ondas que entraram na bateria para vencer por 17,96 a 12,50 pontos com notas 8,83 e 9,13. A vitória valia a vice-liderança no ranking e Italo também se tornou o primeiro surfista a reunir chances matemáticas de brigar pela lycra amarela do Jeep WSL Leader do australiano Matt Wilkinson no Oi Rio Pro, etapa brasileira da World Surf League que será realizada entre os dias 10 e 21 de maio no Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Italo Ferreira é o grande destaque da terceira etapa do tour. Foto: WSL/ Cestari.

 O paulista Caio Ibelli começou a sexta-feira perdendo junto com Italo Ferreira para o havaiano Sebastian Zietz na bateria que definiu a última classificação direta para as quartas de final. Depois conseguiu vingar a derrota sofrida para Jordy Smith na mesma quinta fase em Bells Beach, avançando para as quartas de final pela primeira vez no seu primeiro ano na divisão de elite da World Surf League. Caio ainda voltou ao mar para o último confronto do dia e foi novamente derrotado por Sebastian Zietz numa bateria fraca de ondas. Mesmo assim, Ibelli foi o melhor estreante na perna australiana do Samsung Galaxy WSL Championship Tour.

Caio Ibelli. Foto: WSL/ Cestari.

JEEP WSL LEADER – A grande surpresa na sexta-feira foi o fim da invencibilidade do australiano Matt Wilkinson, que primeiro foi derrotado por Joel Parkinson na primeira bateria do dia e depois eliminado pelo norte-americano Nat Young na quinta fase. Quando Wilkinson perdeu, nove surfistas poderiam ter chances de brigar pela sua lycra amarela do Jeep WSL Leader no Oi Rio Pro do Brasil. Mas, o único que já conseguiu isso foi o brasileiro Italo Ferreira.

Os outros três semifinalistas também podem entrar na lista, só que para isso Joel Parkinson precisa chegar na grande final em Margaret River, enquanto Julian Wilson e Sebastian Zietz têm que vencer o Drug Aware Pro na Austrália. Se passassem para as semifinais, Caio Ibelli, Kolohe Andino e Jordy Smith, também garantiriam chances matemáticas como Italo Ferreira. Já o australiano Adrian Buchan e o americano Nat Young, que acabou com a invencibilidade de Matt Wilkinson, teriam que chegar na final como Joel Parkinson para poderem superar os 24.000 pontos do número 1 no ranking Jeep Leaderboard da World Surf League no Brasil.

Joel Parkinson se classificou para a semifinal no Drugs Aware. Foto: WSL/ Cestari.

 Italo Ferreira foi o estreante do ano em 2015 e vai começar o último dia do Drug Aware Pro na vice-liderança, mas pode cair para o terceiro lugar se perder a semifinal para Sebastian Zietz. Isso se Joel Parkinson passar para a final ou se Julian Wilson vencer a etapa de Margaret River. Caso o potiguar derrote o havaiano para fazer sua segunda final no CT, ele garante o segundo lugar no ranking se a decisão não for contra Joel Parkinson, porque aí quem vencer fica na frente. A única vez que Italo decidiu um título foi na final brasileira da etapa de Portugal no ano passado, vencida pelo paulista Filipe Toledo.

Filipe começou a temporada comandando o espetáculo nas ondas de Snapper Rocks na Gold Coast, até se contundir na semifinal contra Matt Wilkinson. Ele ficou de fora das outras duas etapas da perna australiana, mas vai retornar para defender o seu título de campeão do Oi Rio Pro, conquistado diante de uma multidão que lotou o Postinho da Barra da Tijuca no ano passado. A expectativa é grande para uma nova vitória verde-amarela esse ano, ainda mais que pela primeira vez a etapa carioca será realizada com dois campeões mundiais do Brasil participando, Gabriel Medina (2014) e Adriano de Souza (2015).

Sebastian Zietz despachou o paulista Caio Ibelli nas quartas de finais. Foto: WSL/ Cestari.

 DECISÃO FEMININA – Além da definição dos semifinalistas da categoria masculina, na sexta-feira já foi decidido o título feminino do Drug Aware Margaret River Pro. E deu Austrália, com Tyler Wright sendo impecável na escolha das melhores ondas para ganhar outra final da norte-americana Courtney Conlogue no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016. Ela pegou tubo e fez grandes manobras desde a primeira onda que surfou na bateria, que valeu nota 8,93. A segunda foi melhor ainda e arrancou 9,60 dos juízes.

A grande campeã Tyler Wright. Foto: WSL/ Cestari.

 Courtney tentou entrar na briga pelo bicampeonato consecutivo no Drug Aware Margaret River Pro com uma boa onda nota 8,70, mas Tyler surfou outra direita de forma incrível para receber 9,07 e fechar o placar da segunda vitória no ano por 18,67 a 14,70 pontos. A californiana fez as três finais na perna australiana e permanece na frente do ranking, mas agora com uma pequena vantagem de 800 pontos sobre Tyler Wright.

A vice campeã Courtney Conlongue. Foto: WSL/ Cestari.

A norte-americana vinha sendo o grande destaque nas ondas de Main Break na sexta-feira. Ela fez a maior somatória de pontos nas quartas de final e nas semifinais, batendo a australiana Laura Enever por 17,33 e a havaiana Tatiana Weston-Webb por 17,44, respectivamente. Já Tyler Wright começou o dia não dando qualquer chance para a hexacampeã mundial Stephanie Gilmore e depois derrotou a tricampeã Carissa Moore por uma pequena diferença de 15,07 a 14,77 pontos.

OI RIO PRO – No Oi Rio Pro, que acontecerá entre os dias 10 e 21 de maio no Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, a disputa pela lycra amarela do Jeep WSL Leader será fase a fase entre elas. Courtney Conlogue também venceu a etapa brasileira da World Surf League no ano passado, derrotando a própria Tyler Wright nas semifinais, antes de faturar o título na decisão contra a havaiana Carissa Moore. Carissa também têm chances matemáticas de assumir a ponta do ranking no Brasil, assim como outra havaiana, Tatiana Weston-Webb. No entanto, para elas só interessa a vitória na etapa brasileira e as líderes não poderão chegar nas quartas de final do Oi Rio Pro no Rio de Janeiro.

Tyler Wright surfou com muita força para vencer em M-River. Foto: WSL/ Cestari.

O Drug Aware Pro pode terminar neste sábado, mas tem prazo até terça-feira para ser encerrado na Austrália. A primeira chamada para as semifinais foi marcada para as 7h00, 20h00 da sexta-feira pelo fuso horário de Brasília, ao vivo pelo www.worldsurfleague.com.

SEMIFINAIS DO DRUG AWARE MARGARET RIVER PRO:
1.a: Joel Parkinson (AUS) x Julian Wilson (AUS)
2.a: Italo Ferreira (BRA) x Sebastian Zietz (HAV)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 5.200 pontos e US$ 16.500 de prêmio:
1.a: Joel Parkinson (AUS) 15.83 x 14.24 Nat Young (EUA)

2.a: Julian Wilson (AUS) 18.17 x 13.10 Leonardo Fioravanti (ITA)

3.a: Italo Ferreira (BRA) 17.96 x 12.50 Kolohe Andino (EUA)

4.a: Sebastian Zietz (HAV) 12.50 x 9.93 Caio Ibelli (BRA)

 

QUINTA FASE – Vitória=Quartas de Final / Derrota=9.o lugar com 4.000 pontos e US$ 12.750:
1.a: Nat Young (EUA) 16.37 x 8.83 Matt Wilkinson (AUS)

2.a: Julian Wilson (AUS) 14.17 x 10.26 Adrian Buchan (AUS)

3.a: Italo Ferreira (BRA) 15.93 x 13.17 Gabriel Medina (BRA)

4.a: Caio Ibelli (BRA) 13.03 x 10.83 Jordy Smith (AFR)

QUARTA FASE – 1.o=Quartas de Final / 2.o e 3.o=Quinta Fase:
1.a: 1-Joel Parkinson (AUS)=13.10, 2-Matt Wilkinson (AUS)=12.93, 3-Julian Wilson (AUS)=12.43
2.a: 1-Leonardo Fioravanti (ITA)=11.97, 2-Adrian Buchan (AUS)=11.87, 3-Nat Young (EUA)=11.60
3.a: 1-Kolohe Andino (EUA)=14.20, 2-Gabriel Medina (BRA)=12.00, 3-Jordy Smith (AFR)=12.00
4.a: 1-Sebastian Zietz (HAV)=14.17, 2-Caio Ibelli (BRA)=12.57, 3-Italo Ferreira (BRA)=12.56

FINAL FEMININA DO DRUG AWARE MARGARET RIVER PRO:
Campeã: Tyler Wright (AUS) por 18,67 pontos (notas 9.60+9.07) – US$ 60.000 e 10.000 pontos
Vice-campeã: Courtney Conlogue (EUA) com 14,70 (8.70+6.00) – US$ 30.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 18.250 de prêmio:
1.a: Courtney Conlogue (EUA) 17.44 x 12.17 Tatiana Weston-Webb (HAV)
2.a: Tyler Wright (AUS) 15.07 x 14.77 Carissa Moore (HAV)