Hoje em dia os surfistas brasileiros do WCT se tornaram “superstars”, principalmente, durante a etapa do Rio de Janeiro, portanto Caio Ibelli é provavelmente uma nova estrela do surf brasileiro, já que está garantido na elite mundial do ano que vem. Mais do que isso, Caio divide a liderança do circuito do QS com os mesmos 28.400 pontos do aussie Jack Freestone. O guarujaense é mais uma das grandes revelações do litoral paulista que se destaca mundialmente desde os campeonatos amadores com títulos como o de campeão mundial Pro Junior em 2012. Sem dúvidas, é uma das principais apostas para o título simbólico de Rookie Of The Year em 2016, conquistado brilhantemente por Ítalo Ferreira na atual temporada.

Com um surf muito consistente, Caio manda muito bem tanto no base-lip quanto nos tubos e ainda tem altos aéreos na manga. Assim, já provou seu valor em baterias contra importantes nomes dos top-34 da WSL. No Oi HD São Paulo Open deste ano, etapa de nível QS10000, eliminou Adriano de Souza, atual 3° colocado no ranking da WSL, em uma das melhores baterias do campeonato. Caio também teve uma ótima performance na etapa do WCT de Portugal, onde eliminou o concorrente ao título mundial Owen Wright e marcou 9.77 em uma acirrada disputa contra Gabriel Medina arrancando aplausos do público.

Por falar nisso, a perna européia foi inesquecível para o brasileiro. Lá ele conquistou a vaga na elite após um vice-campeonato no QS10000 de Cascais, Portugal, e participou dos seus dois primeiros eventos de WCT, primeiro na França e depois em Supertubos, na terra dos portugueses. O resultado dos dois meses viajando pelo velho continente atrás de competições e boas ondas você confere no novo vídeo dele chamado Mixed Europe.

Caio Ibelli voando de double grab para eliminar o concorrente ao título mundial Owen Wright em Portugal. Crédito: Poullenot/ WSL.