O QUE ESPERAR DO SURF BRASILEIRO EM 2018

2018 está aí! E com ele vem muitas expectativas e novas oportunidades de fazer-se história. Veja o que podemos esperar deste novo ano!

Sempre que um ano novo se inicia, com ele chega as expectativas, oportunidades… Em 2014, Gabriel Medina colocou seu nome na história do surf como o primeiro brasileiro a conquistar o tão cobiçado título mundial. No ano seguinte, foi a vez de Adriano de Souza também levantar o caneco. Em 2017, batemos na trave pelo bi mundial e, agora, o que será que podemos esperar em 2018 para o surf brasileiro? 

Em destaque: Direita pesada da Laje do Samuel. Foto: Sebastian Rojas.

RECORDE DE BRASILEIROS NO MUNDIAL

A cada ano vem crescendo o número de integrantes do time  verde-amarelo no Mundial. Isso já não é novidade! Este ano o Brasil terá mais de um terço de atletas no WCT. Serão ao todo 11 representantes, dois a mais do que no ano passado, na disputa pelo título mundial. Cinco integrantes se classificaram através da divisão de acesso, o Qualifying Series (QS), e mais seis que se mantiveram através do ranking do WCT em 2017. Com certeza, um momento excelente para o surf brasileiro!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jessé Mendes, Tomas Hermes, Yago Dora, Willian Cardoso e Michael Rodrigues, as novidades brasileiras no Tour em 2018.

E se você fica na maior ansiedade quando dois brasileiros caem na mesma bateria, acostume-se! Agora isso vai acontecer de montão, mas por uma boa causa. As novidades são Jessé Mendes, Tomas Hermes, Yago Dora, Willian Cardoso e Michael Rodrigues, que se juntam a Adriano de Souza, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Caio Ibelli, Ítalo Ferreira Ian Gouveia. Um time de peso!

NOVA GERAÇÃO DO BIG SURF BOTANDO PRA BAIXO

Pedro Calado sempre desafia perigosas ondas mundo afora. Foto: Heff/WSL. 

No ano passado, Carlos Burle anunciou sua aposentadoria das competições ao completar seus 50 anos. Mas o big surf brasileiro não ficará mal representado no mundial em 2018. Nomes como os dos cariocas Pedro Calado e Lucas Chumbo já são comuns nas listas de convidados dos eventos de ondas grandes ao redor do mundo. A dupla “peso pesado” faz parte da nova geração de surfistas de ondas grandes que vem representando com muita coragem e atitude o país mundo a fora.

Lucas Chumbo botando pra baixo em Mavericks. Vídeo: Instagar/@titansofmavericks.

NOVAS LAJES NO BRASIL

Os surfistas de ondas grandes no Brasil estão cada vez mais em busca de novas ondas do que nunca. No ano passado, a cada ondulação grande no país, como na Praia do Cardosão, as redes sociais bombavam  fotos de ondas inéditas.

Carlos Carpinelli no big surf histórico na Praia do Cardoso (SC) ano passado. Foto: Pedrones.

Existem grupos de surfistas no Rio de Janeiro, São Paulo e em Santa Catarina que a postos equipados com jet skis, barcos e mapas só a espera da próxima mancha roxa nos gráficos de previsão!

AUMENTO DA PRÁTICA DO SURF COM HYDROFOIL

O “tão distante” hydrofoil de Kai Lenny começa a se tornar uma realidade no Brasil. Atualmente não é tão raro fazer uma sessão de surf e ver alguém praticando o Stand Up Foil ou, até mesmo, surf com hydrofoil. Algumas fábricas de pranchas já estão produzindo os foils no país. Então, a tendência é que em 2018 aumente, significativamente, a quantidade de praticantes da modalidade!

Surf de hydrofoil é nova “onda” no Brasil. Foto: Alexandre Tavares King.

Fique por dentro, AQUI, de mais algumas expectativas para este ano novo no surf brasileiro!