OWEN WRIGHT VOLTA A PIPE DOIS ANOS APÓS LESÃO NO CÉREBRO

“Queria minha vida!” Depois de quase perder a vida em uma vaca nos treinos para o Pipe Masters de 2015, muitos pensaram que o surfista australiano nunca voltaria a surfar.

O australiano Owen Wright está de volta a Pipeline, Hawaii, depois de de sofrer há dois anos uma grave contusão no cérebro que quase encerrou a sua carreira. Muitos pensaram que Owen jamais surfaria novamente, mas ele deu a volta por cima!

O australiano  comemorando o título da etapa na Gold Coast este ano. Foto: Sloane/WSL.

O australiano comemorando o título da etapa na Gold Coast este ano. Foto: Sloane/WSL.

Owen perdeu toda a temporada de 2016, ficou 15 meses afastado e coroou o retorno à elite com o título na na Gold Coast australiana, etapa de abertura do Circuito Mundial em março deste ano. Mas só agora o surfista se sente realmente recuperado física e mentalmente.

Mesmo assim, enfrentar os seus medos não tem sido fácil. O nervosismo pesou na estreia no Pipe Masters e ele segurou a lanterna da bateria vencida por Josh Kerr, porém terá uma nova chance na repescagem da última etapa do ano.

“Eu queria realmente a minha vida de volta! Depois da lesão na cabeça e de tantos altos e baixos, muitos pensamentos não me deixaram desistir, por mais cansado que eu estivesse. Eu continuei seguindo em frente, passado baterias, mas havia muito mais do que apenas a ideia de vencer as baterias. Eu queria recuperar a minha vida, queria a minha confiança. Estamos agora no final do ano, e ganhei de volta a minha confiança”, disse o irmão de Tyler Wright, em uma entrevista ao seu patrocinador.

Owen Wright  em ação durante o Quiksilver Pro Gold Coast, Austrália, em março deste ano. Foto: Sloane/WSL.

Para o australiano, a onda de Pipeline é como uma faca de dois gumes. No pico, um surfista pode surfar o melhor tubo possível ou sofrer a pior vaca de sua vida! Top 5 do ranking, o aussie estava na briga pelo título mundial deste ano até a penúltima etapa do Tour, em Portugal, porém a eliminação precoce em Supertubos deu fim às suas esperanças.

O aussie nas ondas portuguesas no Meo Rip Curl Pro 2017. Foto: Poullenot/WSL.

Owen Wright se machucou nos treinos para o Pipeline Masters de 2015, antes mesmo da estreia. Os médicos haviam detectado uma severa concussão na cabeça e uma hemorragia cerebral no atleta, que apresentava movimentos limitados. A lesão abalou o mundo do surf. Na época, não se sabia ao certo se ele tinha sofrido sequelas ou mesmo se conseguiria voltar a surfar. Owen precisou reaprender tudo. Comemorou quando ficou em pé sobre uma prancha outra vez, assim como cada passo de um longo processo de recuperação.

Owen durante sua bateria na primeira fase do Pipe Masters este ano. Foto: Cestari/WSL.

“Pipeline é uma faca de dois gumes. Se por um lado estou muito feliz de estar de volta, por outro, estou bem nervoso.” – Owen Wright 

Agora, o surfista de 27 anos está de volta a Pipe para disputar a o Billabong Pipe Masters, etapa decisiva que define o campeão mundial de 2017 e as vagas restantes para a elite em 2018. Estar de volta a Pipeline é uma missão pessoal para Owen. Ao lado do filho, o pequeno Vali, de um ano, ele se sente renovado.

Com o filho Vali na casa que divide com Medina, Fanning, Wilko e outros membros da equipe. Foto: Reprodução Instagram.

Na estreia na prova, Owen alcançou um somatório de 3,37, enquanto seu compatriota Josh Kerr chegou a 12.17 pontos e o americano Kanoa Igarashi terminou em segundo, com 6,10. Apesar do revés, Wright terá uma chance na repescagem com o também australiano Ethan Ewing.

Reveja a bateria entre Owen Wright, o compatriota Josh Kerr e o americano Kanoa Igarashi na primeira fase do Pipe Masters:

A próxima chamada para o reinício das disputas em Pipe acontece amanhã, sábado, às 15:00 horas no horário de verão do Brasil. Confira o Billabong Pipe Masters ao vivo direto do Hawaii, clicando AQUI.

PRIMEIRA FASE DO BILLABONG PIPE MASTERS – Vitória=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: 1-Jeremy Flores (FRA)=10.17, 2-Jadson André (BRA)=6.33, 3-Matt Wilkinson (AUS)=4.67

2.a: 1-Josh Kerr (AUS)=12.17, 2-Kanoa Igarashi (EUA)=6.10, 3-Owen Wright (AUS)=3.37

3.a: 1-Conner Coffin (EUA)=10.56, 2-Julian Wilson (AUS)=8.00, Stuart Kennedy (AUS)=1.50

4.a: 1-Jordy Smith (AFR)=16.57, 2-Bede Durbidge (AUS)=11.43, 3-Ethan Ewing (AUS)=3.00

5.a: 1-Miguel Pupo (BRA)=14.83, 2-Benji Brand (HAW)=12.64, 3-Gabriel Medina (BRA)=12.43

6.a: 1-John John Florence (HAW)=13.50, 2-Dusty Payne (HAW)=6.83, 3-Wiggolly Dantas (BRA)=5.63

7.a: 1-Caio Ibelli (BRA)=12.83, 2-Adriano de Souza (BRA)=11.27, 3-Jack Freestone (AUS)=7.04

8.a: 1-Kelly Slater (EUA)=12.47, 2-Joan Duru (FRA)=11.90, 3-Kolohe Andino (EUA)=7.60

9.a: 1-Ezekiel Lau (HAW)=10.50, 2-Filipe Toledo (BRA)=2.00, 3-Michel Bourez (TAH)=2.00

——–baterias que ficaram pendentes:

10: Sebastian Zietz (HAW), Adrian Buchan (AUS), Ian Gouveia (BRA)

11: Joel Parkinson (AUS), Connor O´Leary (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA)

12: Mick Fanning (AUS), Frederico Morais (PRT), Ítalo Ferreira (BRA)

SEGUNDA FASE – Vitória=Terceira Fase e Derrota=25.o lugar com 500 pontos e US$ 10.000:

1.a: Gabriel Medina (BRA) x Dusty Payne (HAW)

2.a: Owen Wright (AUS) x Ethan Ewing (AUS)

3.a: Julian Wilson (AUS) x Benji Brand (HAW)

4.a: Matt Wilkinson (AUS) x Stuart Kennedy (AUS)

5.a: Adriano de Souza (BRA) x Jadson André (BRA)

6.a: Kolohe Andino (EUA) x Jack Freestone (AUS)

7.a: Filipe Toledo (BRA) x

—-o adversário de Filipe e as outras cinco baterias ainda não foram definidos

Fonte: globoesporte.globo.com