PERUANA CONQUISTA O TRI SUL-AMERICANO DA WSL SOUTH AMERICA

Apesar de perder a final do QS 1000 Reef & Paris Women’s Pro, a peruana Anali Gomez já tinha garantido o título inédito na semifinal.

A também peruana Melanie Giunta. Foto: Mauricio Espinoza.

A também peruana Melanie Giunta. Foto: Mauricio Espinoza.

A peruana Anali Gomez conseguiu um inédito tricampeonato sul-americano na história da WSL South America neste domingo em San Bartolo, no Peru. Ela confirmou o título na semifinal do QS 1000 Reef & Paris Women’s Pro com sua última concorrente, a também peruana Melanie Giunta.

Depois,  Anali perdeu a grande final para a havaiana Bailey Nagy e as duas receberam troféus de campeã no pódio da quinta e última etapa do WSL Qualifying Series feminino promovida pela WSL South America esse ano.

O prêmio para Anali Gomez oferecido pela World Surf League, é a garantia de participação nas etapas mais importantes do próximo ano, com status QS 6000 e QS 10000, que definem as seis vagas para a elite das top-17 do CT.

A havaiana Bailey Nagy levou o título da etapa. Foto: Mauricio Espinoza.

A havaiana Bailey Nagy levou o título da etapa. Foto: Mauricio Espinoza.

O domingo final do Reef & Paris Women’s Pro começou com a havaiana Bailey Nagy já mostrando suas armas contra a campeã mundial de 2004 e bicampeã sul-americana, Sofia Mulanovich, na abertura das quartas de final.

As concorrentes ao título da WSL South America competiram nas duas últimas baterias dessa fase.

Melanie Giunta passou pela campeã sul-americana do ano passado, Nathalie Martins, por uma pequena diferença de 12,35 a 11,25 pontos da última brasileira no evento.

A brasileira Nathalie Martins foi campeã sul-americana do ano passado. Foto: Mauricio Espinoza.

Anali Gomez entrou na bateria seguinte e derrotou a porto-riquenha Havanna Cabrero por 13,75 a 10,85, para decidir o título sul-americano nas semifinais. Melanie Giunta já precisava vencer a prova para ser a campeã, mas Anali liquidou sua última concorrente nas duas últimas ondas que surfou na bateria e valeram notas 6,00 e 7,00. Por 13,00 a 9,55 pontos, ‘La Negra’, como é conhecida, confirmou o inédito tricampeonato antes mesmo da decisão com Bailey Nagy.

Anali Gomez confirmou o inédito tricampeonato antes mesmo da bateria final. Foto: Mauricio Espinoza.

A havaiana entrou na bateria final mais concentrada e começou bem, aproveitando uma boa onda para largar na frente com nota 7,00. A primeira de Anali foi 6,25 e o máximo que conseguiu depois disso foi 6,05 na última onda. Bailey  já estava somando uma nota 6,35 da sua segunda melhor apresentação e ficou com o título do QS 1000 Reef & Paris Women’s Pro, derrotando a nova tricampeã sul-americana por 13,35 a 12,30 pontos.

Daniela Rosas subiu da sexta para a quarta colocação no ranking final da WSL South America. Foto: Mauricio Espinoza.

Daniela Rosas subiu da sexta para a quarta colocação no ranking final da WSL South America. Foto: Mauricio Espinoza.

Nas semifinais, a havaiana também começou bem e liquidou outra peruana com as notas 6,00 e 7,50 que computou em duas ondas seguidas. Mas, Daniela Rosas foi se aproximando a cada onda e quase consegue virar o placar. Ela recebeu 6,90 na melhor, porém somou uma nota 6,20 e acabou eliminada por 13,50 a 13,10 pontos, repetindo o terceiro lugar conquistado na etapa do Chile, em Pichilemu.

Com mais um bom resultado, Daniela Rosas subiu da sexta para a quarta colocação no ranking final da WSL South America, abaixo apenas da tricampeã Anali Gomez, da vice-campeã Dominic Barona, do Equador, e da também peruana Melanie Giunta, que permaneceu em terceiro lugar. A brasileira mais bem colocada esse ano é a paulista Camila Cássia em quinto lugar, seguida pela melhor argentina, Lucia Cosoleto, em sexto. 

Fotos: Mauricio Espinoza.

Neste ano, foram realizadas cinco etapas femininas do WSL Qualifying Series na América do Sul. A disputa pelo título sul-americano começou com a equatoriana Dominic Barona vencendo o Rip Curl Pro Argentina em Mar del Plata. A segunda foi na mesma San Bartolo que recebeu a etapa final agora no Peru e a vencedora do Jeep Pro foi Anali Gomez, que assumiu ali a liderança do ranking e não largou mais até conquistar o tricampeonato em casa.

Bailey Nagy comemorando o título da etapa. Foto: Mauricio Espinoza.

Bailey Nagy comemorando o título da etapa. Foto: Mauricio Espinoza.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO QS 1000 REEF & PARIS WOMEN´S PRO:

Campeã: Bailey Nagy (HAW) por 13,35 pontos (notas 7,00+6,35) – US$ 1.500 e 1.000 pontos

Vice-campeã: Anali Gomez (PER) com 12,30 pontos (6,25+6,05) – US$ 750 e 750 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 560 pontos e US$ 350 de prêmio:

1.a: Bailey Nagy (HAW) 13.50 x 13.10 Daniela Rosas (PER)

2.a: Anali Gomez (PER) 13.00 x 9.55 Melanie Giunta (PER)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 420 pontos e US$ 200 de prêmio:

1.a: Bailey Nagy (HAW) 14.05 x 13.60 Sofia Mulanovich (PER)

2.a: Daniela Rosas (PER) 12.00 x 9.10 Lucia Cosoleto (ARG)

3.a: Melanie Giunta (PER) 12.35 x 11.25 Nathalie Martins (BRA)

4.a: Anali Gomez (PER) 13.75 x 10.85 Havanna Cabrero (PRI)

Pódio do QS 1000 Reef & Paris Women’s Pro. Foto: Mauricio Espinoza.

TOP-10 DO RANKING SUL-AMERICANO DA WSL SOUTH AMERICA – Final das 5 etapas:

Campeã: Anali Gomez (PER) – 2.730 pontos

02: Dominic Barona (EQU) – 2.245

03: Melanie Giunta (PER) – 2.125

04: Daniela Rosas (PER) – 1.820

05: Camila Cássia (BRA) – 1.720

06: Lucia Cosoleto (ARG) – 1.560

07: Tainá Hinckel (BRA) – 1.400

08: Josefina Ane (ARG) – 1.140

09: Lucia Indurain (ARG) – 1.045

10: Karol Ribeiro (BRA) – 1.040

Clique AQUI para ver o ranking completo!