PORTFÓLIO TIAGO NAVAS

Uma trip para a terra dos cangurus foi o pontapé inicial para o paulista TIAGO NAVAS ingressar no ramo da fotografia. “Tenho uma tia que é fotógrafa e jornalista e, desde pequeno, sempre tive interesse em fotografia. Quando fui fazer um intercâmbio na Austrália, em 97, comprei uma câmera para fotografar a viagem e, a partir daí, meu interesse foi aumentando,” conta. 

Tiago Navas nas Maldivas.

Tiago Navas nas Maldivas.

E para enveredar para o surf foi um pulo. “Entrei na faculdade de Direito e nessa época eu alugava uma casa em Itamambuca com alguns amigos, pois todos os finais de semana íamos surfar. Comecei a fotografar a galera ali mesmo e, durante um campeonato, conheci o Sávio Carneiro, que na época era competidor. Com ele, comecei a viajar para cobrir o Circuito Brasileiro e daí a aperfeiçoar minha técnica. Pude ter contato com outros fotógrafos, surfistas e marcas do segmento”, fala Navas.

Mas o que no início seria apenas um hobby foi ficando mais sério e, perto de se formar na faculdade, Tiago decidiu que fotografar era o que realmente queria fazer: “Lembro de ter vendido um carro e ficado a pé para comprar uma lente usada. Nessa época, já estava publicando minhas fotos e pouco tempo depois fui integrado ao time de fotógrafos staff de uma revista, onde fique bastante tempo. Era uma época boa, antes do digital, os fotógrafos tinham que se preocupar em apenas fotografar. Hoje a correria é muito grande, além de fotografar, você precisa editar, manipular, filmar…”

Com 19 anos de profissão, Tiago diz que viver de fotografia tem vários estágios e, se quiser continuar no mercado, você tem que ir se moldando. “Quando você é jovem e solteiro é tranquilo, pois todo o seu dinheiro é para trocar de equipamento (risos). Depois disso, você começa a ter outras prioridades e a coisa fica mais séria, então, tem que se desdobrar bastante para viver da fotografia. Muitos fotógrafos migraram para o vídeo, outros estão se especializando em imagens aéreas, isso é uma tendência da evolução da profissão. Hoje não adianta ficar apenas na areia fotografando um campeonato, pois você não vai ganhar dinheiro…”, explica. 

Por Déborah Fontenelle

Conheça a seguir um pouco mais sobre o talento e a carreira do paulista Tiago Navas!

Pipeline, Hawaii.

“Lembro de ter vendido um carro e ficado a pé para comprar uma lente usada. Nessa época, já estava publicando minhas fotos e pouco tempo depois fui integrado ao time de fotógrafos staff de uma revista.”

Renan Rocha em Teahupoo com Rodrigo Coxinha no canal.

ILHA DO PRUMIRIM, UBATUBA:

NASCIDO:  30/03/1978 – Campinas  

RESIDÊNCIA ATUAL: São Paulo e Campinas

EQUIPAMENTO:  Praticamente sempre Canon. Câmera atual principal é a EOS 1D Mark IV e uma 5D Mark III 

MELHOR PICO PRA FOTOGRAFAR: Mentawai, Indonésia 

MELHOR TRIPMaldivas 

PIOR TRIP: México. Uma das vezes que fui para lá fiquei muito mal. Peguei salmonella, tive que tomar antibióticos e ficar deitado durante 10 dias num calor infernal 

“Quando fui fazer um intercâmbio na Austrália, em 97, comprei uma câmera para fotografar a viagem e, a partir daí, meu interesse foi aumentando.”

CAPAS PUBLICADASMais de vinte  

MELHORES SURFISTAS PARA FOTOGRAFAR: Wigolly Dantas. Também gostava muito de fotografar o Fernando Fanta, Fabio Gouveia e Sávio Carneiro 

INFLUÊNCIAS NA FOTOGRAFIA / FOTÓGRAFOS FAVORITOS: James Thisted e Levy Paiva

CONSELHO PARA QUEM ESTÁ COMEÇANDO: Começar  fotografando o pico que você está acostumado a frequentar. Nem tudo são mil maravilhas, mas se você gostar do que faz não tem erro

REDES SOCIAIS: www.tiagonavas.com | @tiagonavas (instagram)

Felipe ‘Gordo’ Cesarano em Pasquales, México. 

QUAIS DIFICULDADES VOCÊ ENCONTROU NO INÍCIO DA PROFISSÃO? 

No começo é entrar no mercado e ter espaço para mostrar o seu trabalho. Hoje já não é mais assim, pois tem a internet… Mas lá atrás era difícil, só havia revistas e jornais. Se ninguém te conhecesse era complicado você ter acesso a esses veículos.

COMO É SEU DIA A DIA NO TRABALHO? 

Um dia nunca é igual ao outro. Você está sempre correndo atrás de trabalho ou para entregar algum. Depois de anos trabalhando no mercado de surf, criei um vínculo com diversas marcas de surfwear, então, além de ação, estou sempre fazendo fotos e vídeos publicitários delas, seja aqui no Brasil ou mundo afora. Agora como estou usando bastante drone, tenho feito bastante imagem com este tipo de equipamento.

Teahupoo, Tahiti.

“… comecei a viajar para cobrir o Circuito Brasileiro e daí a aperfeiçoar minha técnica. Pude ter contato com outros fotógrafos, surfistas e marcas do segmento.”

QUAIS OS PERIGOS DA PROFISSÃO DE UM FOTÓGRAFO DE SURF? 

Perigos existem em diversos níveis, desde roubos durante alguma trip, o barco virar, surfista atropelar o fotógrafo, você ficar doente em algum lugar longe de casa e afastado de tudo…

Sebastian Zietz em Off The Wall, Hawaii.

“… comecei a viajar para cobrir o Circuito Brasileiro e daí a aperfeiçoar minha técnica. Pude ter contato com outros fotógrafos, surfistas e marcas do segmento.”

QUE EQUIPAMENTO VOCÊ GOSTA MAIS DE UTILIZAR? 

Acho que sou um pouco mais old school (risos). Gosto das fotos com o enquadramento mais fechado… gosto bastante de usar a tele. Não faço muito mais fotos dentro d’água, mas para estas gosto de usar grande angular, uma 15mm.

Yago Dora em Rocky Point, Hawaii.

 “… antes do digital, os fotógrafos tinham que se preocupar em apenas fotografar. Hoje a correria é muito grande, além de fotografar, você precisa editar, manipular, filmar…”

Ilha de ASU, Indonésia.

QUAL VOCÊ CONSIDERA A SUA MELHOR FOTO? 

Isso deve ser a pior pergunta para um fotógrafo… Impossível responder…

Fernando Fanta em Macaronis, Mentawai.

  “Quando você é jovem e solteiro é tranquilo, pois todo o seu dinheiro é para trocar de equipamento (risos). Depois disso, você começa a ter outras prioridades… então, tem que se desdobrar bastante para viver da fotografia.”

QUAIS SÃO SUAS EXPECTATIVAS DENTRO DA PROFISSÃO? 

Por enquanto é me aprofundar mais nesse segmento de mídias sociais e conteúdo para patrocinadores usares na web.

 

 

“Muitos fotógrafos migraram para o vídeo, outros estão se especializando em imagens aéreas, isso é uma tendência da evolução da profissão.”
“Hoje não adianta ficar apenas na areia fotografando um campeonato, pois você não vai ganhar dinheiro…”

O QUE A FOTOGRAFIA SIGNIFICA PARA VOCÊ? 

É muito mais que uma simples imagem… É um estado de espírito!                                                

Flea em Waimea durante o Eddie Aikau.