PRANCHAS X EVOLUÇÃO NO SURF

Escolher a sua primeira prancha não é algo muito fácil. Mesmo a escolha da sua segunda, terceira, quarta e todas as outras, que terá depois de virar um surfista fissurado, torna-se muitas vezes uma missão que é deliciosa, mas deixa a sua mente cheia de dúvidas.

Então, a Surfar e a Longarina resolveram trazer @crisbrosso para falar um pouco sobre cada uma das suas pranchas e, quem sabe, ajudar a galera que está iniciando no surf.

Afinal, Cris entende bem as dificuldades enfrentadas pelos iniciantes, já que ela começou tarde no esporte, aos 20 de idade, ou seja, há nove anos. 

Por @crisbrosso

1ª PRANCHA QUE TIVE NA VIDA: FUNBOARD 7.0 -   TRIQUILHA

Condições: Toco velho, usado e arrebentado. Não  aconselho essas condições de prancha para  ninguém!

Motivo da escolha: Porque era a mais barata e os mais experientes me diziam que eu precisava  começar com uma Funboard.

Tempo de uso: Quatro meses.

Onde usei: Austrália, em uma cidade chamada Noosa  Heads, onde as ondas são perfeitas para  longboards.

Tipo de onda que peguei com ela: Pode parecer piada, mas eu não peguei nenhuma onda, só espuma durante quatro meses, mesmo indo para o mar todos os  dias!

Fiquei conhecida como  a “Garota  da  Espuma” em uma cidade onde até os cachorros e crianças menores de dois anos  pegam onda.

Ponto de evolução: Aprendi muito sobre o mar, o que fazer na correnteza forte, como tomar na cabeça com tranquilidade e como furar onda dando tartaruguinha.

Não é muito fácil escolher a sua primeira prancha.

2ª PRANCHA NA VIDA: FUNBOARD 7.0, TRIQUILHA

Condições: Nova, linda e rosa.

Motivo da escolha: Porque eu ainda era muito iniciante e os mais experientes me diziam para continuar com a Fun. E, na minha cabeça, a tal da pranchinha ainda era algo impossível.

Tempo de uso: Mais ou menos dois anos.

Onde usei: Litoral paulista e em uma surf trip pelo sul do Peru.

Tipo de onda que peguei com ela: Peguei minhas primeiras paredinhas com ela. Quanto mais gorda era a onda melhor (tipo Riviera e Baleia). Nas ondas menos gordas, eu ficava com medo de imbicar com a prancha e acabava não fazendo o drop.

Ponto de evolução: Entendi como pegar a tal paredinha da onda. Evolui na tartaruguinha e aprendi mais sobre o mar, comecei a compreender sobre o posicionamento dentro da água e relaxar nos caldos.

Escolher a nossa prancha é uma missão deliciosa.

 3ª PRANCHA NA VIDA: PRANCHINHA 6.3, TRIQUILHA

Condições: Usada, mas em boas condições.

Motivo da escolha: Estava em Itamambuca com a minha Fun (2ª prancha) e não dropava as ondas porque ficava insegura achando que iria imbicar. Então peguei emprestada a pranchinha de uma pessoa que estava no  mar  comigo.

Na primeira onda que remei, entrei e dropei! Fácil! Paixão imediata! Primeira paredinha do dia. Passado algum tempo, eu comprei a pranchinha da pessoa.

Tempo de uso: Uso ela até hoje.

Onde usei: Litoral brasileiro e em Biarritz na França.

Tipo de onda que peguei com ela: Todos os tipos. Hoje uso ela apenas em mares maiores e nos mais cavados, tipo praia Brava do Norte ou  Santiago.

Fish e a 6.3.

4ª PRANCHA NA VIDA: FISH 5.10, BIQUILHA – A PRANCHA MÁGICA!

Condições: Nova, linda, pintada pelo meu namorado e shapeada por um shaper bem experiente, famoso por sua fish mágica.

Motivo da escolha: Com a 6.3, eu tenho dificuldade na remada, percebo que muitas vezes entro atrasada na onda.

Peguei, então, a fish, que tem muito mais flutuação para me ajudar a entrar antes nas ondas e com mais segurança.

Tempo de uso: Mais ou menos um ano e meio.

Onde usei: Litoral brasileiro.

Tipo de onda que peguei com ela: Todas, inclusive ondas de um metro em Maresias. Evito surfar com ela quando a onda está muito cavada e fechando, porque fica mais difícil de encaixar na parede devido ao seu tipo de rabeta e também quando está muito pesado, por ter muita flutuação dificulta o joelhinho.

Ponto de evolução: Continuei a evoluir em todos os pontos já mencionados, inclusive em manobrinhas.

Longboard 9.0, monoquilha

 

5ª E ÚLTIMA PRANCHA ATÉ O MOMENTO: LONGBOARD 9.0 –  MONOQUILHA

Condições: Nova e linda.

Motivo da escolha: Adquiri porque queria diversão em dias flat.

Tempo de uso: Mais ou menos um ano e meio.

Onde usei: Maresias.

Tipo de onda que peguei com ela: Pequenas. O long tem uma entrada mais fácil na onda.

Ponto de evolução: Melhora o drop com pranchas grandes e caminhar na prancha (walk).

PARA A MULHERADA QUE ESTÁ INICIANDO NO SURF

Não desista!  Você consegue! Eu nunca tive facilidade em esportes, mesmo naqueles que comecei ainda criança. Olha que tentei vários, como natação, futebol, vôlei, box…, e mesmo assim nesses aninhos  de surf consegui evoluir e hoje me divirto muito! Todos conseguem! Só é preciso dedicação, pois a evolução é lenta, principalmente para quem começa mais tarde.

Por Longarina, parceira da Surfar na seção Surf Feminino.