SALINA CRUZ – TACOS E TUBOS

Água quente, sol escaldante, ondas perfeitas e tubulares, assim é Salina Cruz, no México, um local perfeito para quem busca qualidade e perfeição de ondas. 

Estava de olho em um potente swell que estava ganhando pressão no México. Todos os sites especializados confirmavam a previsão de um swell épico. Entrei em contato com o Yuri Soledade, big rider casca-grossa que reside em Maui e expert em previsão de ondas, que confirmou a notícia. Também telefonei para o Ian Gentil, brasileiro radicado no Hawaii, que incluiu o irmão mais novo, Conan, na barca para o México com o intuito do moleque aperfeiçoar o surf para as etapas do NSSA, circuito nacional
amador americano.

O sombreiro mexicano de Dunga Neto.

A trip estava formada, eu, Yuri e Conan Gentil, mas faltava o fotógrafo. Nem pensei muito e já telefonei para o Henrique Pinguim, pois para acompanhar essa galera “fominha” por onda o cara tinha que ser trabalhador. Pinguim prontamente aceitou o convite e embarcou no dia seguinte. Fui para Maui pegar umas pranchas, de onde partimos todos juntos rumo ao México, mais precisamente ao Golfo de Tehuantepec, para cidade de Salina Cruz. A viagem não saiu de nossas cabeças, tanto que 10 dias depois o fotógrafo Pinguim retornou com os freesurfers cariocas Biel Garcia e JD Edde para pegar um novo swell e mais tubos naquela região.

Por Dunga Neto / Fotos: Henrique Pinguim

ÁGUA QUENTE E ONDAS TUBULARES

Com o litoral bastante recortado, água quente, sol escaldante, ondas perfeitas e tubulares, Salina Cruz é um local perfeito para quem busca qualidade e perfeição de ondas. A maior parte do turismo é direcionada a surfistas do mundo todo, buscando os melhores beach breaks do planeta com suas potentes ondas em água quente.

A cidade tem apenas um hotel e as praias propícias para o surf são de difícil acesso, sendo assim a melhor e mais indicada opção para quem quer surfar as melhores ondas, sem ficar perdido no caminho do surf ou escolher o pico errado, são os surfcamps, que incluem até motorista com uma pick up.

O bom é que esses motoristas são surfistas e sabem qual a praia que está com a melhor condição, ondulação e vento certo. E o ruim é que certamente eles são locais e estarão disputando as ondas também. Mas fique tranquilo, pois sobra onda e o crowd, esse sim, é muito na paz. Um detalhe que deve ser observado e respeitado pelos visitantes é a cobrança de uma taxa de US$ 500 pela associação local para fotografar ou filmar as ondas da região, sendo essa verba revertida em benfeitorias para a população local.

REGIÃO COM MUITAS OPÇÕES

Picos como Jetty, Conejo, Chivo, La Bamba, Escondida, Beach Break, dentre outros, possuem excelentes ondas e uma beleza única, onde a poucos quilômetros de distância temos montanhas com cliffs de pedra, vegetação verde e um oceano azul turquesa, já em outras praias uma vegetação de
cactos e montanhas arenosas. E é essa variedade que faz dessa região um destino a ser explorado.

As opções em Salina são as melhores e mais variadas em qualidade e tamanho de ondas. Depois de dias tão intensos, quando anoitece estamos todos literalmente exaustos e é hora de reunir a galera à mesa de jantar para desfrutar a deliciosa culinária mexicana, além de rever as imagens captadas durante o dia e depois o merecido descanso. Nos surfcamps, às nove da noite parece ser madrugada. Todos já estão dormindo, pois o sol intenso, as ondas e o caminho à procura dos picos cansam bastante.

E após oito dias em Salina Cruz, infelizmente chegou a hora da partida, mas com a certeza que voltaremos no próximo ano para surfar lugares poucos explorados, conhecendo mais o fantástico litoral mexicano com suas belezas distintas e interagir com o receptivo povo local.

COMO CHEGAR

A melhor forma para se chegar é pelo aeroporto de Huatulco devido ao maior número de opções de voos. Aproximadamente duas horas de Salina Cruz. Também se pode chegar por Puerto Escondido, onde existe um ônibus confortável que dura umas quatro horas de viagem até Salina.

ONDE SE HOSPEDAR

Os surfcamps são os melhores lugares e existem cinco na cidade. Os preços variam de 130 a 170 dólares, incluído as três refeições, quarto com ar condicionado, pick up e guia. Escolha essa opção e tenha a certeza que você vai surfar uma das melhores ondas da sua vida.

ALIMENTAÇÃO 

A comida mexicana é espetacular! Suas saladas, os pratos à base de pescado e as quesadilhas são bastante comuns na região.

O QUE LEVAR:

Todos os dias que passamos em Salina tiveram boas ondas. E quando o mar diminuía um pouco, o tamanho de prancha não mudava. Mesmo nos dias bons, usamos a prancha do dia a dia, no máximo uma ou duas polegadas a mais para ter mais remada nos dias maiores. As ondas são perfeitas e de fácil adaptação com pranchas pequenas, pois permite mais agilidade e fluidez nas manobras. Usamos bastante os tamanhos de 5’10 a 6’1.

MELHORES/PRINCIPAIS PICOS PARA SURFAR

  • Conejo: point break de direita, com aproximadamente 300m de extensão, onda super divertida e extremamente manobrável, sendo a melhor hora na maré vazia, enchendo e baixando.
  • Chivo: uma das melhores ondas da região. Muito longa, drop difícil ao lado da pedra, uma seção oca com tubo no drop e depois a onda fica bastante manobrável, entra em mais uma seção de tubo e ou manobra. Os mais experientes pegam até três tubos na mesma onda e são grandes as chances de pegar o tubo da vida. Quebra melhor na maré baixa, com 4 a 6 de sul. Locação de vários filmes de surf.
  • Jetty: essa onda é a da cidade, mais crowd, porém nada de assustar. Quebra ao lado de um mole artificial de pedra, direita forte, bom para tubo e manobra. Melhor na maré vazia e é o único pico que oferece condições de vento e tamanho quando os outros estão ruins.
  • La Bamba: direita com parede sólida e perfeita, ideal para o surf progressivo. Melhor na maré baixa e enchendo.
  • Escondida: onda forte, balançada, com tubo largo e perfeito.
  • Beach Break: tubão oco (quadrado) para direita e esquerda.

VIDA NOTURNA

A vida noturna em Salina é muito fraca, então, a melhor coisa a ser feita é tomar uma boa cerveja mexicana (considerado uma das melhores do mundo) e rever as fotos e vídeos da caída, caso você tenha contratado um guia para filmar e fotografar. Além disso, devido os dias serem bastante intensos, a noite todos estão cansados e é praticamente impossível sair à procura de balada.

QUANDO O MAR ESTÁ FLAT…

Uma boa opção nos dias flats é fazer passeios por ruínas e pirâmides, onde um bom guia pode te levar para conhecer a cultura local, além de apreciar o pôr do sol nas dunas da região. Na cidade também existe um mini skate park, que não é dos melhores, mas nos dias flats pode ser um divertimento, isso para quem tiver disposição para andar no sol de 450 graus. Outra opção é ver filmes, pois em Salina Cruz existe um cinema moderno.

A australiana Tyler Wright jogando para o alto o nível do surf feminino.