SURFAR #44 – JÁ NAS BANCAS DE TODO O BRASIL!

SURFAR #44 - Dave Rastovich de biquiilha em Nias.  Crédito: Pedro Tojal.A notícia de um swell gigante vindo em direção da Indonésia deixou toda a comunidade do surf em alerta. Mas com tantas bancadas perfeitas, como fazer essa difícil escolha? O fotógrafo staff da Surfar, Pedro Tojal,  que está lá desde o final do mês de maio para a cobertura desta temporada, jogou suas fichas na direitas de Nias. A escolha rendeu uma matéria histórica de 20 páginas em um dos maiores dias de Nias, direitas tubulares em umas das melhores ondas do mundo.

Outra notícia que causou alarde e chocou o mundo foi o ataque de tubarão que Mick Fanning sofreu em Jeffreys Bay durante a bateria final do J-Bay Open. Como somos mídia especializada, não poderíamos deixar esse assunto passar batido. Nossa equipe entrevistou Renato Hickel, Tour Manager da WSL, para saber quais providências serão tomadas pela entidade. Além disso, fizemos um levantamento dos lugares onde têm mais ataques de tubarões. Um perigo inerente ao esporte, mas que pode ter seus cuidados redobrados.

Já no Perfil desta edição, trazemos a história do surfista, empresário e batalhador incansável Raphael Levy, o Fico, cujo apelido de infância virou marca de surfwear. Nos final dos anos 80, depois de muitos exames, ele descobriu que sofria de esclerose múltipla, uma doença rara e pouco estudada no Brasil. Até hoje Fico luta contra as fases mais agudas e brandas, porém se manteve forte, trabalhando e surfando. Um exemplo disso é que ele foi também um dos fundadores do Circuito Brasileiro Profissional em 1987. Uma história contagiante de perseverança e coragem.

A Revista Surfar também não poderia deixar de parabenizar a todos os envolvidos no retorno do Circuito Brasileiro Profissional, o SuperSurf, que marcou a reestreia da etapa do circuito, reunindo um total de 160 surfistas de 13 estados do país. A expectativa pela volta do evento foi grande e uma galera de peso marcou presença na Praia de Maresias para ver os confrontos de gerações entre grandes estrelas do passado, do presente e do futuro do surf brasileiro. O saldo foi positivo e todos comemoraram a volta das competições. Boas ondas!