PIPE MASTERS COMEÇA HOJE COM BRASILEIROS NA BRIGA PELO TÍTULO MUNDIAL

Filipe Toledo, Adriano de Souza e Gabriel Medina vão tentar o segundo título mundial consecutivo do Brasil na World Surf League contra os australianos Mick Fanning, Owen Wright e Julian Wilson em Banzai Pipeline.

 

Os três brasileiros concorrentes ao título mundial de 2015. Foto: Paulo Vitale/Veja.

Finalmente está chegando o momento de decidir um dos títulos mundiais mais disputados da história do circuito realizado desde 1976. No total são seis concorrentes com chances de conquistar o cobiçado troféu de campeão da World Surf League no Billabong Pipe Masters em memória a Andy Irons, entre eles nossos representantes Adriano de Souza, Filipe Toledo e  Gabriel Medina na briga contra três australianos. O prazo da etapa final do Samsung Galaxy WSL Championship Tour 2015 começa amanhã, terça-feira, e vai até 20 de dezembro no Hawaii. Todos os tops da elite já estão escalados para estrear nos tubos de Banzai Pipeline e os candidatos ao título mundial começam a se apresentar a partir da segunda bateria.

Owen Wright. Foto: Cestari/WSL.

O australiano Owen Wright será o primeiro a tentar classificação direta para a terceira fase. Sua única chance de ser campeão é a vitória no Billabong Pipe Masters e seus primeiros adversários serão o brasileiro Jadson André e o havaiano Dusty Payne. Nos confrontos seguintes, ainda não estão listados os terceiros oponentes que participarão como convidados ou nas vagas do contundido Matt Banting (AUS) e de Frederick Patacchia (HAW), que se aposentou das competições. Um dos substitutos confirmados pela World Surf League é Bruce Irons, irmão do tricampeão mundial Andy Irons.

Filipe Toledo. Foto: Smorigo/WSL.

O campeão mundial Gabriel Medina está escalado na terceira bateria com o havaiano Keanu Asing. Já Adriano de Souza entra na seguinte com o taitiano Michel Bourez. Depois se apresentam os dois principais concorrentes ao título: Filipe Toledo estreia na quinta bateria junto com o norte-americano Kolohe Andino e na sexta o líder do ranking, Mick Fanning com o havaiano Sebastian Zietz, que necessita de um bom resultado para se manter na divisão de elite para o ano que vem. Na sétima bateria vem Julian Wilson pressionado em ter que repetir a vitória conquistada em Pipeline no ano passado contra Medina.

Adriano de Souza. Foto: Cestari/WSL.

BRASIL NA FRENTE - O Billabong Pipe Masters começa com Mick Fanning liderando na disputa pelo título mundial, mas Filipe Toledo assume a ponta se passar para a terceira fase e terá duas chances para isso. Filipinho ultrapassa o australiano porque tem 500 pontos para trocar nessa última etapa, contra 1.750 dos demais concorrentes, exceto Julian Wilson. Como a diferença entre os líderes do ranking é de apenas 200 pontos, Toledo passa a defender a primeira posição a partir da terceira fase. No entanto, a disputa está tão acirrada que Adriano de Souza supera os dois se passar uma rodada a mais que eles. E o campeão mundial pode até ser decidido numa final entre dois destes três primeiros colocados no ranking.

Gabriel Medina. Foto: Kirstin/WSL.

Para Gabriel Medina conseguir o bicampeonato mundial, a condição mínima antes mesmo do início do Billabong Pipe Masters é chegar às semifinais, enquanto para Owen Wright e Julian Wilson só adianta conquistar a vitória. Sem falar que eles dependem dos resultados dos três principais concorrentes ao título. Se Fanning ou Filipe vencerem duas baterias em Pipeline, ou seja, se passarem pela terceira fase da competição, já acabam com as chances de Owen e Julian  Eles também saem da briga se Mineiro alcançar as quartas de final. Para Medina conquistar o bi mundial, Filipinho não pode chegar às quartas de final, nem Fanning e Mineirinho nas semifinais.

A Surfar já preparou para você as contas dos brasileiros para alcançar o posto de melhor surfista do mundo. Veja em: surfar.com.br/as-contas-de-mineiro-filipe-e-medina-para-o-titulo.

Banzai Pipeline. Foto: Marcio Canavarro.

Você vai poder conferir ao vivo as apresentações dos tops da elite e as emoções da briga pelo título mundial numa das melhores ondas do mundo clicando aqui.

Julian Wilson. Foto: Masurel/WSL.

PRIMEIRA FASE – Vitória=Terceira Fase e 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: Italo Ferreira (BRA), Adrian Buchan (AUS), Glenn Hall (IRL)
2.a: Owen Wright (AUS), Jadson André (BRA), Dusty Payne (HAW)
3.a: Gabriel Medina (BRA), Keanu Asing (HAW), wildcard
4.a: Adriano de Souza (BRA), Michel Bourez (TAH), wildcard
5.a: Filipe Toledo (BRA), Kolohe Andino (EUA), wildcard
6.a: Mick Fanning (AUS), Sebastian Zietz (HAW), wildcard
7.a: Julian Wilson (AUS), Kai Otton (AUS), Ricardo Christie (NZL)
8.a: Jeremy Flores (FRA), Matt Wilkinson (AUS), Jordy Smith (AFR)
9.a: Kelly Slater (EUA), Taj Burrow (AUS), C. J. Hobgood (EUA)
10: Nat Young (EUA), John John Florence (HAW), Brett Simpson (EUA)
11: Bede Durbidge (AUS), Wiggolly Dantas (BRA), Adam Melling (AUS)
12: Josh Kerr (AUS), Joel Parkinson (AUS), Miguel Pupo (BRA)

271480_564532_141212_mickfanning_pipe_masurel

Mick Fanning. Foto: Masurel/WSL.

TOP-22 NO JEEP LEADERBOARD DA WORLD SURF LEAGUE – após 10 etapas

1.o: Mick Fanning (AUS) – 49.900 pontos
2.o: Filipe Toledo (BRA) – 49.700
3.o: Adriano de Souza (BRA) – 49.450
4.o: Gabriel Medina (BRA) – 45.530
5.o: Owen Wright (AUS) – 43.600
6.o: Italo Ferreira (BRA) – 41.600
7.o: Julian Wilson (AUS) – 41.450
8.o: Jeremy Flores (FRA) – 37.700
9.o: Kelly Slater (EUA) – 34.150
10: Nat Young (EUA) – 33.200
11: Bede Durbidge (AUS) – 30.450
12: Josh Kerr (AUS) – 29.650
13: Joel Parkinson (AUS) – 27.100
14: Wiggolly Dantas (BRA) – 26.850
15: John John Florence (HAW) – 25.200
16: Taj Burrow (AUS) – 24.950
17: Matt Wilkinson (AUS) – 23.750
18: Kai Otton (AUS) – 23.600
19: Adrian Buchan (AUS) – 21.450
20: Jadson André (BRA) – 19.950
21: Keanu Asing (HAW) – 18.750
22: Michel Bourez (TAH) – 18.700
25: Miguel Pupo (BRA) – 15.250
34: Alejo Muniz (BRA) – 8.450
41: Bruno Santos (BRA) – 4.000
43: Tomas Hermes (BRA) – 3.250

44: Caio Ibelli (BRA) – 2.250
45: Alex Ribeiro (BRA) – 500
45: David do Carmo (BRA) – 500