UM LADO MAIS “UNDERGROUND” DO SURF

O catarinense Osvaldo Pok busca um lado mais “underground” do surf. Além do clássico “tubão azul” em lugares paradisíacos, Pok procura explorar bastante o meio urbano e as manobras modernas. “Fotografar o ambiente do surf, registrar os surfistas dentro e fora d’água. Tenho um ardor por manobras aéreas bem executadas. Isso é o que mais gosto de registrar”, definiu o fotógrafo, que há seis anos deu início à carreira sempre em busca de novidades, de fugir da mesmice na profissão. (Em destaque: Harmonia entre a manobra, a prancha e o cenário aliados ao estilo de Alan Fendrich. Balneário Camboriú)

Um dia de produção antes de o sol nascer. Praia Brava, Itajaí. Foto: Guilherme Meneguelli.

Nascido em Criciúma, Osvaldo começou a fotografar aos 18 anos despretensiosamente. Comprou uma câmera simples, semi-profissional, e passou a registrar as sessões de surf e skate dos amigos nas poucas vezes que viajavam pelo Brasil para surfar. O primeiro grande contato com o ramo da fotografia de surf foi promovendo o QS realizado no Farol de Santa Marta, em Laguna, Santa Catarina, em 2010. Ali ficou claro para ele o desejo de seguir em frente na profissão. “Foi onde tive o prazer de vivenciar um dos maiores acontecimentos profissionais e pessoais da minha vida”, destacou.

No ano seguinte, Pok se mudou para Balneário Camboriú, onde passou a aprender e evoluir diariamente na Praia Brava de Itajaí. “Por estar na praia todos os dias, acabei conhecendo excelentes profissionais do ramo, que muito me ajudaram com suas experiências e companheirismo”, explicou o catarinense. Ainda na Praia Brava, ele segue aprimorando sua fotografia para a cada dia conseguir apresentar melhor um estilo e uma visão diferente do mundo do surf.  

Por Luís Fillipe Rebel 

Montando sua primeira exposição na At Home em 2012. Foto: Alan Fendrich.

NASCIDO: 18/04/1987

RESIDÊNCIA ATUALBalneário Camboriú 

EQUIPAMENTO: Canon 7d, Canon 100-400mm, Canon 17-40mm, Canon 50mm 

MELHOR PICO PRA FOTOGRAFAR: Praia Brava de Itajaí (SC)  

MELHOR TRIP: Barbados 

PIOR TRIP: Costa Rica, porque roubaram meu equipamento 

CAPAS PUBLICADAS: Uma na Revista Hardcore 

MELHORES SURFISTAS PARA FOTOGRAFAR: Alan Fendrich, James Santos, Mickey Bernardoni, Matheus Navarro, Yago Dora, Petterson Thomaz e Yuri Castro 

INFLUÊNCIAS NA FOTOGRAFIA / FOTÓGRAFOS FAVORITOS: Sebastião Salgado, Marcio David, Chris Burkard, Rafaski, Ricardo Alves e Marcelo Araujo 

CONSELHO PARA QUEM ESTÁ COMEÇANDO: Persistência e estar sempre estudando,  pois a fotografia é muito ampla 

REDES SOCIAIS: Instagram: @osvaldopok / Facebook: osvaldopok

O que é a fotografia de surf para você?Liberdade”.

Petterson Thomaz em mais um nascer de sol criativo. Praia Brava, Itajaí.

Fotografando Alan Fendrich com light paint na At Home, casa noturna do amigo e surfista James Santos. Praia Brava, Itajaí.


“Meu trabalho fotográfico não se limita apenas a fotografar onda azul e perfeita, gosto do lado mais trash, do preto e branco, do meio urbano, do rock n’ roll.”


Foto para a estampa da camiseta da MCD com Cássio Sanchez e suas duas monoquilhas. Praia Brava, Itajaí.

Uma das minhas idas ao litoral norte de São Paulo. Nesta foto, pegamos Rock Point e Toninhas clássicos. Ubatuba, São Paulo.


“O tubo é uma das manobras mais lindas do surf, é a maior sintonia do mar com o surfista. Mas, particularmente, os aéreos me chamam mais a atenção. Não sei falar o porquê, mas certamente é a minha paixão.” 


Mickey Bernardoni pegando um tubo desenhado à mão no dia do seu aniversário. Praia Brava, ItajaíPablo Aguiar botando para dentro do tubo no Canto do Morcego. A presença de navios é constante nesse local. Praia Brava, Itajaí.


“Gosto de utilizar lente tele para poder fotografar detalhes de uma grande paisagem, e gosto também das lentes normais para poder fazer ângulos abertos.” 


Balneário Camboriú e sua imensidão de prédios contrastaram nesse aéreo do urbano James Santos. Balneário Camboriú.

Uma das muitas idas a São Chico na casa do amigo e surfista Petterson Thomaz. Na foto, Tomas Hermes num aéreo. Prainha, São Francisco do Sul.

O paredão de pedra no canto esquerdo da Prainha contrasta muito bem com as manobras. Na foto, Tomas Hermes. Prainha, São Francisco do Sul.

Qual você considera a sua melhor foto? “Não tenho uma foto específica, mas posso falar de vários aéreos feitos com o excêntrico Alan Fendrich.” 

Alan Fendrich com a luz do início da tarde. Praia Brava, Itajaí.

O pintor Bruno Alvares retratando uma cena do cantor Ozzy Osbourne quando ele come a cabeça de um morcego num show ao vivo. Balneário Camboriú.


“Quero viajar o mundo inteiro registrando tudo da minha forma. Realmente posso dizer que este é o meu caminho, pois faço tudo por amor à arte e prazer interior.”


 

Alan Fendrich e suas manobras autênticas. Aserradores, Nicarágua. 

Em busca das ondas logo cedo nos arredores de Balneário Camboriú junto com meu amigo João Jucoski. Balneário Camboriú.