VIDA DE TOP NÃO É MOLE!

Acredite, os surfistas tiveram a vida mais fácil nas ondas… Encontros com patrocinadores, sessões de autógrafos com fãs, negócios e ativações diferenciadas fazem com que os atletas tivessem praticamente mais atividades fora que dentro da água.

Com o “boom” do surf nos últimos três anos, os surfistas brasileiros tiveram uma rotina de rockstar no mês de maio, quando aconteceu a etapa do Rio de Janeiro da Liga Mundial de Surf (WSL). A exigência da mídia, dos patrocinadores e dos milhares de fãs que lotaram as areias do Postinho e de Grumari nas últimas duas semanas fizeram com que os atletas tenham praticamente mais atividades fora que dentro da água.

Adriano de Souza em ação nas ondas do Postinho. Foto: Smorigo/WSL.

Com a janela do evento sendo longa, 11 dias, e imprevisível, os dias sem atividades acabam não tendo nada de descanso: a agenda de compromissos é extensa e concorrida. Adriano de Souza, em sua primeira competição como campeão mundial no Brasil, que o diga.

Mineirinho tenta administrar sua agenda muito concorrida. Foto: Armando Paiva/Estácio.

No primeiro dia, 09/05, aconteceu a coletiva de imprensa oficial e uma sessão de autógrafos, mas Mineiro deu um jeito e se jogou na água entre os dois acontecimentos. E após os dois primeiros dias de competição em Grumari, Adriano foi uma das principais estrelas da inauguração do Museu do Surf, onde inclusive doou uma prancha sua novinha para o acervo. Na sexta-feira (13/05), ele apresentou sua nova identidade visual em um evento realizado no início da noite com a presença de todos os seus patrocinadores, algo que não acontecia desde a chegada no Brasil após o título no ano passado. Já o dia seguinte foi de “folga” com as competições, mas no domingo (15) participou da sessão de autógrafos no estande da Oi montado na Praia do Postinho.

“A gente sabia que seria um período bem agitado. Mal conseguimos respirar, acabamos comendo coisas erradas em horas erradas e brigamos para conseguir tempo para treinar, pois esta é a coisa mais importante. É corrido, mas é gostoso. É algo parecido com a Fórmula 1 quando é época do GP do Brasil. Certamente são as duas semanas mais importantes do ano para a gente fora das ondas”, conta Mineirinho.

Caio Ibelli, estreante em 2016 e atual campeão da divisão de acesso, deixou o Rio de Janeiro, como o melhor estreante no ranking mundial até o momento. Foto: Smorigo/WSL.

Mas não é só o campeão mundial que é requisitado. Estreante em 2016, Caio Ibelli foi um dos destaques de uma concorrida sessão de autógrafos ao lado de Mineirinho, Filipe Toledo e Jadson André, além de ter concretizado um acordo de patrocínio com a Furnas.

Ibelli sentindo como é ser da elite. Foto: Divulgação.

“A etapa brasileira é vital para conseguirmos fechar algumas parcerias, pois é muito difícil termos tempo durante o calendário para vir ao Brasil. E nossa presença junto às empresas é vital para conseguirmos fechar algo”, disse Ibelli,  o estreante do ano até o momento no ranking mundial.

Vice-campeã mundial em duas oportunidades,  Silvana Lima também participou de sessões de autógrafos, além de visitar o SporTV para uma participação ao vivo e de uma clínica de surf feita com filhos de clientes da Oi, sem contar os encontros na área dos atletas com membros da Furnas.

Silvana segue na luta para retornar à elite mundial do surf feminino. Foto: Smorigo/WSL.

 “A clínica é uma forma interessante de ativação da marca e que nos agrada muito, pois vamos todos para o mar. É muito legal ter esse tipo diferenciado de contato, onde ensinamos algo para os convidados e eles guardam esse momento para sempre. Na clínica deste ano eu nunca tinha visto tantas meninas juntas surfando, o que é muito legal para a sequência do surf feminino no esporte”, falou Silvana.

Silvana e a criançada no Rio. Foto: Renata Mello.

Com o fim do campeonato ontem, quinta-feira, Mineirinho, Caio e Silvana retomam suas rotinas “tranquilas” de treinos. No caso de Adriano e Caio, com o foco na etapa de Fiji, que começa dia 07 de junho. Já Silvana segue na luta para retornar à elite mundial do surf feminino após vencer a etapa da divisão de acesso na Praia do Forte e disputar o Rio Pro como convidada.